terça-feira, 17 de abril de 2012

Abertas inscrições para Prêmio Fecomercio Sustentabilidade

http://portal.aprendiz.uol.com.br/

Abertas inscrições para Prêmio Fecomercio Sustentabilidade:
abrset
1728
Estão abertas as inscrições para o 3º Prêmio Fecomercio de Sustentabilidade, promovido pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) em parceria com a Fundação Dom Cabral (FDC).
O prêmio visa conscientizar e reconhecer iniciativas sustentáveis inovadoras, voltadas à responsabilidade socioambiental, de autoria de professores e estudantes de graduação e pós-graduação, além de empresas e entidades.
Será concedido um título de capitalização ou previdência no valor de R$ 15 mil a cada um dos vencedores, nas categorias academia (professor e estudante), indústria (microempresa, pequena/média empresa, grande empresa, entidade empresarial/sindical) e órgão público.
As inscrições dos projetos podem ser realizadas até 28 de setembro. A premiação será realizada em março de 2013.
De acordo com os organizadores do prêmio, a avaliação dos projetos será baseada nos critérios de inovação, relevância para o negócio, amplitude, resultado e nível de atendimento de um ou mais itens que compõem os “16 princípios do varejo responsável”, estabelecidos pela Fundação Dom Cabral.
Na última edição o prêmio contou com 314 projetos inscritos, de 19 Estados, das cinco regiões do Brasil. Foram selecionados 28 finalistas que concorreram nas categorias empresa, órgão público e academia.
Mais informações e inscrições: www.fecomercio.com.br/sustentabilidade .
(Agência Fapesp)

PSE NSEC06 - EQUIPE MÓVEL

A Equipe Móvel 04 estarão nas seguintes escolas esta semana:
16 de Abril -  CIEP ANTON MAKARENKO
17 de abril -  E M PROF ESCRAGNOLLE DÓRIA
20 de Abril -  E M LÚCIO DE MENDONÇA

FORUM DE SAÚDE MENTAL - ABRIL



 
Confirmamos a realização do Fórum de Saúde Mental para o dia 26/04 (quinta-feira) às 9:30h na Clínica da Família Epitácio Soares Reis - Endereço: Av. Crisóstomo Pimentel, s/n° - Pavuna. (Próximo ao conjunto residencial Village; fica distante do metrô à 5min de transporte coletivo).
 
Tema do Fórum de Saúde Mental: Qual lugar(papel) que cada serviço exerce na rede?
                                                   Apresentação do Proinape/ Saúde Escolar (discussão de um caso com articulação com os serviços da rede da AP. 3.3)
 
Att.
 
Eunice D'Assumpção
DAPS/CAP. 3.3
Tel. 3017-6100

11ª Caminhada de Mobilização contra a Dengue

http://smsdc-cms-fazendabotafogo.blogspot.com/
11ª Caminhada de Mobilização contra a Dengue:
Foi um sucesso a nossa 11ª Caminhada contra Dengue. Estamos lutando para acabar com a proliferação do mosquito, diminuindo assim o número de casos na nossa área...












Parabéns a todos os profissionais e participaram que participaram!!!

PSE NSEC06 - INCLUSÃO - ALTAS HABILIDADES E SUPERDOTAÇÃO

http://inclusaobrasil.blogspot.com/
ALTAS HABILIDADES E SUPERDOTAÇÃO:

Susana Graciela Pérez Barrera Pérez
Doutora em Educação (PUC-RS)

 
ALTAS HABILIDADES/SUPERDOTAÇÃO

 
Teoria dos Três Anéis
Definição
[...] o comportamento de superdotação reflete uma interação entre três grupamentos básicos dos traços humanos - sendo esses grupamentos habilidades gerais e/ou específicas acima da média, elevados níveis de comprometimento com a tarefa e elevados níveis de criatividade. As crianças superdotadas e talentosas são aquelas que possuem ou são capazes de desenvolver este conjunto de traços e que os aplicam a qualquer área potencialmente valiosa do desempenho humano.
(RENZULLI, J. S. The Three-ring conception of giftedness: A Developmental Model for Creative Productivity. In: RENZULLI, J. S.; REIS, S. M. The Triad Reader. Connecticut: Creative Learning Press, 1986 p. 11/12)
CARACTERÍSTICAS GERAIS
 assincronismo;
 consciência de si mesmo;
 busca de soluções próprias para os problemas;
 concentração prolongada numa atividade de interesse;
 gosto pelo desafio;
 leitura voraz;
 liderança;
 precocidade motora e/ou verbal e/ou na leitura e/ou escrita;
 sensibilidade aos problemas sociais e aos sentimentos dos outros;
 senso de humor desenvolvido;
 tendência a associar-se a pessoas mais velhas e mais novas;
 tendência ao perfeccionismo;
 vocabulário avançado, rico e extenso em relação aos seus pares.
LEGISLAÇÃO FEDERAL
 Lei de Diretrizes e Bases da Educação - LDB (Lei 9394/96) – Arts Nº 58 a 60 – 20/12/96
 Parâmetros Curriculares Nacionais: Adaptações Curriculares – Estratégias para a Educação de Alunos com Necessidades Educacionais Especiais - 1998
 Plano Nacional de Educação – (Lei 10172/01) – 09/01/01
 Parecer Nº 17/01 do Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Básica – 03/07/01
 Resolução Nº 2 do Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Básica – 11/09/01 – Institui as Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica do Ministério da Educação – 2002
 Política Nacional de Educação Especial (2008)
 Decreto 6571 (2008)
 Parecer Nº 13 do Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Básica (2009)
 Resolução Nº 4 do Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Básica (2009)
DOIS TIPOS DE AH/SD: ACADÊMICO E PRODUTIVO-CRIATIVO
 ambos os tipos são igualmente importantes
 normalmente há uma interação entre ambos os tipos
 os programas especiais deveriam tomar as providências adequadas para incentivar ambos os tipos, assim como as numerosas ocasiões em que os dois tipos interagem entre si
CARACTERÍSTICAS ESPECÍFICAS
ACADÊMICO
(Renzulli, 1976, 1979, 2004)
 Competências nas habilidades cognitivas mais valorizadas nas situações de aprendizagem tradicional (mais analíticas do que práticas) – habilidades lingüísticas e lógico-matemáticas;
 freqüentemente apresenta notas altas na escola;
Susana Graciela Pérez Barrera Pérez
Doutora em Educação (PUC-RS)
 tende a enfatizar a aprendizagem dedutiva, a aquisição, armazenamento e recuperação das informações;
 ênfase no pensamento convergente;
 gosta de ler muito;
 pensamento abstrato;
 mais estável, no tempo;
 Concentra-se nas atividades que lhe interessam;
 consumidor de conhecimento;
 melhor adaptação ao ritmo da sala de aula;
 é o tipo mais facilmente identificado por testes de QI.
(Pérez,2004)
 Concentra suas leituras em focos específicos;
 percebe a sua diferença e assincronismo como algo negativo;
 tem mais dificuldade em estabelecer relações afetivas e de amizade;
(RENZULLI, 1976,1979,2004; PÉREZ, 2004; WINNER, 1998; FREEMAN e GUENTHER, 2000)
 Preferência por trabalhar sozinho;
 Porque podem ter sucesso sem tentar, elas raramente se esforçam muito em seu trabalho escolar;
 Está sempre esperando que os outros terminem o que ele já fez, ou que o professor continue com a aula.
 quando constantemente trabalhando com tarefas demasiadamente fáceis, podem tentar criar seus próprios desafios, tal com testar, ou mesmo quebrar regras estabelecidas
PRODUTIVO-CRIATIVO
(Renzulli, 1976,1979,2004)
 parece ser mais questionador;
 não gosta da rotina;
 dispersivo quando a tarefa não lhe interessa;
 extremamente imaginativo, intuitivo e inventivo;
 habilidades mais restritas a um campo específico;
 idéias, produtos, expressões artísticas originais;
 modos originais de abordar e resolver os problemas;
 muitas vezes seu desempenho é considerado baixo e/ou com falta de motivação;
 usa mais o pensamento divergente;
 ênfase investigativa (modelo indutivo);
 picos de rendimento;
 produtor de conhecimento;
 criatividade a serviço da capacidade e
 envolvimento diferenciados.
(Pérez,2004)
 Gosta de ler muito e em muitas áreas diferentes;
 percebe sua diferença, mas de forma positiva;
 tem preocupações sociais muito claras e fortes;
 a família é extremamente importante na sua vida;
(Renzulli, 1976,1979,2004; Castejón Costa; Prieto Sánchez e López Martinez, 2000; Pérez, 2004; Wechsler, 1999)
 Usa o modus operandis de um pesquisador de primeira classe, ou seja, investiga de uma forma aprofundada, elabora e testa hipóteses, procura soluções diferenciadas, gosta mais de experimentar do que ler “sobre”.
 Coloca as suas habilidades para trabalhar nos problemas e áreas de estudo que têm relevância pessoal para ele
 Embora parece que estão distraídos na sala de aula, sabem o que está ocorrendo
 Freqüentemente seus registros são muito exíguos
Susana Graciela Pérez Barrera Pérez
Doutora em Educação (PUC-RS)
 as crianças de baixo nível socioeconômico podem, muitas vezes, demonstrar seus talentos em áreas consideradas como não-acadêmicas
ALGUMAS SUGESTÕES DE LIVROS, ARTIGOS E OUTROS MATERIAIS EM PORTUGUÊS SOBRE AH/SD (PUBLICAÇÕES DE 2001-2011)
ALENCAR, Eunice Maria L. Soriano de. Criatividade e educação de superdotados. Petrópolis: Vozes, 2001.
ALENCAR, Eunice Maria L. Soriano de; FLEITH, Denise Souza. Superdotados: Determinantes, Educação e Ajustamento. 2 ed. São Paulo: EPU, 2001.
______. Criatividade e Educação de Superdotados. Petrópolis: Vozes, 2001.
ALMEIDA, Maria Amélia; CAPELLINI, Vera Lúcia M. F. Alunos Talentosos: possíveis superdotados não notados. Educação, Porto Alegre, PUCRS, v. 55, n. 1, p.45-64, Jan/Abr. 2005.
ASPESI, Cristiana. C. Processos familiares relacionados ao desenvolvimento de comportamentos de superdotação em crianças de idade pré-escolar. Dissertação de Mestrado. Universidade de Brasília, Brasília, 2003.
ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DE APOIO ÀS ALTAS HABILIDADES/ SUPERDOTAÇÃO. Relatório Final da Pesquisa sobre Portadores de Altas Habilidades – Região Metropolitana de Porto Alegre. Porto Alegre: ABSD-RS, 2001. Disponível em: www.agaahsd.com.br .
BRASIL. Lei nº 10172, de 09 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=12907:legislacoes&catid=70:legislacoes.
_____. Resolução CNE/CEB nº 2/01 - Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=12907:legislacoes&catid=70:legislacoes
_____. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. (2008) Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/politica.pdf
_____. Decreto Nº 6.571/08 - Dispõe sobre o atendimento educacional especializado. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=12907:legislacoes&catid=70:legislacoes.
_____. Resolução CNE/CEB Nº 4. Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Brasília: Diário Oficial da União, 5 de outubro de 2009, Seção 1, p. 17.
CUPERTINO, Christina; GIANETTI, Sonia Regina Bassi. Da imobilidade à realização: os passos de uma trajetória de criação. Educação, Porto Alegre, PUCRS, v. 55, n. 1, p.65-80, Jan./Abr. 2005.
FLEITH, Denise de Souza; ALENCAR, Eunice Soriano de (Org). Desenvolvimento de talentos e Altas Habilidades: Orientação a pais e professores. Porto Alegre: Artmed, 2007.
FLEITH, Denise de Souza (Org.) A construção de práticas educacionais para alunos com Altas Habilidades/Superdotação (3 volumes). Brasília: MEC/SEESP, 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=12679%3Aa-construcao-de-praticas-educacionais-para-alunos-com-altas-habilidadessuperdotacao&catid=192%3Aseesp-esducacao-especial&Itemid=860
FREITAS, Soraia Napoleão (org.). Altas Habilidades/Superdotação: a ousadia de rever conceitos e práticas. Santa Maria: UFSM, 2006.
FREITAS, Soraia Napoleão; PÉREZ, Susana Graciela Pérez Barrera. Altas Habilidades/Superdotação: atendimento especializado. Marília: ABPEE, 2010.
GAMA, Maria Clara Sodré (Org.) Educação dos Superdotados: teoria e prática. São Paulo:EPU, 2006.
GERMANI, Larice Bonato; COSTA, Mara Regina Nieckel da, VIEIRA, Nara Joyce Wellausen.Construindo caminhos e estimulando potencialidades. In: Ensaios Pedagógicos. Brasília: MEC/SEESP, 2005, p.71-81.
GUENTHER, Zenita Cunha. Capacidade e Talento: um programa para a escola. São Paulo: EPU, 2006.
MAIA-PINTO, R. R. Núcleos de Atividades de Altas Habilidades/Superdotação - Documento Orientador: Execução da Ação. Brasília: Ministério da Educação / Secretaria de Educação Especial. 2006.
MAIA-PINTO, R. R.; FLEITH, D.S. Percepção de professores sobre alunos superdotados. Estudos de Psicologia, 19, 78-90, 2002.
Susana Graciela Pérez Barrera Pérez
Doutora em Educação (PUC-RS)
PÉREZ, Susana Graciela Pérez Barrera. Mitos e Crenças sobre as Pessoas com Altas Habilidades: alguns aspectos que dificultam o seu atendimento. Cadernos de Educação Especial. Santa Maria, UFSM, n. 22, p. 45 - 59, 2003. Disponível on-line em http://coralx.ufsm.br/revce/
_____. O aluno com Altas Habilidades/Superdotação: uma criança que não é o que deve ser ou é o que não deve ser? In: STOBÄUS, C.D.; MOSQUERA, J. J. M. (Orgs.). Educação Especial: em direção à educação inclusiva. 2ª ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1 ed. 2003, 2 ed. 2004. Cap. 15. p. 237-250.
_____. Políticas públicas para pessoas com altas habilidades: uma análise de uma realidade que fala sem pensar. Porto Alegre, 2004. Disponível em: www.agaahsd.com.br/acervo.html
_____. Gasparzinho vai à escola: um estudo sobre as características do aluno com altas habilidades produtivo-criativo. Dissertação (Mestrado em Educação). 2004 – Faculdade de Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 2004.
_____. Assincronismo, Precocidade e Mitos: três razões para entender a Identidade do aluno com Altas Habilidades. Curitiba, Portal de Educação da Secretaria de Educação do Estado do Paraná, 2005. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/portal/institucional/dee/dee_artigos.php
_____. O adulto com Altas Habilidades/Superdotação: um sapo de outro poço? In: CAMPOS, Salete C. de (Org.). Educação Especial na EJA: contemplando a diversidade. Porto Alegre: Prefeitura Municipal de Educação/Secretaria Municipal de Educação, 2007. p. 87-103.
_____. A identificação das altas habilidades/superdotação sob uma perspectiva multidimensional. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 22, n. 35, p. 299-328, set./dez. 2009.
PÉREZ, Susana Graciela Pérez Barrera. Ser ou não ser, eis a questão: o processo de construção da identidade na Pessoa com Altas Habilidades/Superdotação adulta. 230 f., 2008. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.
PÉREZ, Susana Graciela Pérez Barrera; STOBÄUS, Claus Dieter. Alberto: um professor de ensino regular e seu „algo mais‟ para atender aos alunos com Altas Habilidades/Superdotação. Revista Educação Especial, Santa Maria: UFSM, v. 2, n. 25, p.73-84, 2005.
RECH, Andréia Jaqueline Devalle; FREITAS, Soraia Napoleão. O papel do professor junto ao aluno com Altas Habilidades. Revista Educação Especial, Santa Maria, UFSM, v. 2, n. 25, p.73-72, 2005.
RENZULLI, Joseph. S. Os módulos de enriquecimento são oportunidades de aprendizagem autêntica para crianças sobredotadas. Boletim APEPICTa, Porto (Portugal), n. 6, dez. 2002.
_____. O que é esta coisa chamada superdotação e como a desenvolvemos?. Educação, Porto Alegre, PUCRS, v. 52, n. 1, p.75-131, Jan./Abr. 2004. Tradução de Susana G. P. Barrera Pérez. Disponível em http://caioba.pucrs.br/faced/ojs/viewarticle.php?id=6&layout=abstract .
SABATELLA, Maria Lúcia Prado. Talento e superdotação: problema ou solução? Curitiba: Ibepex, 2005.
SOUZA, Maria de Lourdes Lunkes de. Portadores de altas habilidades entre menores infratores. Educação, Porto Alegre, PUCRS, v. 55, n. 1, p. 81-100, Jan./Abr. 2005.
VIEIRA, Nara Joyce Wellausen. A escola e a inclusão dos alunos portadores de Altas Habilidades. Cadernos de Educação Especial, Santa Maria, UFSM, v. 1, n. 21, p.7-22, 2003. Disponível on-line em www.ufsm.br/ce/revista. Acesso em 20/08/2006
_____. O encontro da professora do ensino básico com alunos da Educação Especial: uma relação (im)possível? Educação, Porto Alegre, PUCRS, v. 52, n. 1, p. 133-151, Jan./Abr. 2004. Disponível em: http://caioba.pucrs.br/faced/ojs/viewarticle.php?id=7&layout=abstract.
______. A inclusão e a diversidade: os diferentes olhares sobre a prática inclusiva. Cadernos Pedagógicos Legislação Políticas e Influências Pedagógicas. Brasília: UNESCO, Banco Mundial, Fundação Maurício Sirotsky Sobrinho, 2005.
VIEIRA, Nara Joyce Wellausen; POHLMAN, Nadiesca Para que todos sejam iguais em seus direitos: a ousadia de revisar concepções e paradigmas na inclusão dos alunos com altas habilidades/superdotação. Anais do V Fórum Nacional de Educação e VII Seminário Regional de Educação Básica: educação, mídia e valores. Santa Cruz do Sul : EDUNISC, 2005, p.97-111.
VIEIRA, Nara Joyce W.; BAPTISTA, Cláudio R. Educação e Altas Habilidades: incluir...sim, mas como? In: BAPTISTA, Cláudio Roberto (org.) Inclusão e Escolarização: múltiplas perspectivas. Porto Alegre: Mediação, 2006, p. 165-174.
VIRGOLIM, Ângela Magda Rodrigues. Altas Habilidades/Superdotação: encorajando potenciais. Brasília: MEC/SEESP, 2007. Disponível em:
Susana Graciela Pérez Barrera Pérez
Doutora em Educação (PUC-RS)
http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=12679%3Aa-construcao-de-praticas-educacionais-para-alunos-com-altas-habilidadessuperdotacao&catid=192%3Aseesp-esducacao-especial&Itemid=860
DISSERTAÇÕES DE MESTRADO E TESES DE DOUTORADO COM FOCO DIRETO NAS ALTAS HABILIDADES/SUPERDOTAÇÃO DEFENDIDAS NO PERÍODO DE 2001 A 2007 RELACIONADAS NO BANCO DE TESES DA CAPES
TESES DE DOUTORADO
DELOU, Cristina Maria Carvalho. Sucesso e fracasso escolar de alunos considerados superdotados: um estudo sobre a trajetória escolar de alunos que receberam atendimento em salas de recursos de escolas da rede pública de ensino. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - Educação: História, Política, Sociedade, SP. 01/08/2001
LUSTOSA, Ana Valéria Marques Fortes. A moral em superdotados: uma nova perspectiva. Universidade de Brasília – Psicologia, DF. 01/04/2004
VIANA, Tania Vicente. Avaliação educacional diagnóstica: uma proposta para identificar altas habilidades, CE, UFC, Educação. 01/04/2005
VIEIRA, Nara Joyce Wellausen. Viagem a "Mojave-Óki!": a trajetória na identificação das altas habilidades/superdotação em crianças de quatro a seis anos. RS, UFRGS, Educação. 01/07/2005
REIS, Haydea Maria Marino de Sant‟Anna. Educação Inclusiva é para todos?A (falta de) formação docente para Altas Habilidades/ Superdotação no Brasil. RJ, UERJ, Educação. 01/03/2006
MAGALHÃES, Marília Gonzaga Martins Souto de. Programa de Atendimento ao Superdotado da Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal (1991-2002): inclusão social ou tergiversação burocrática?, DF, UnB, Sociologia. 01/08/2006.
CHAGAS, Jane Farias. Adolescentes talentosos: características individuais e familiares. Universidade de Brasília – Psicologia, DF, 01/06/2008
PÉREZ, Susana Graciela Pérez Barrera. Ser ou não ser, eis a questão : o processo de construção da identidade na pessoa com altas habilidades/superdotação adulta, RS, PUC-RS, Educação. 01/07/2008 Disponível em: http://tede.pucrs.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=1664.
BARBOSA, Maria Claúdia Dutra Lopes. Programa de enriquecimento de base cognitivo-comportamental mediando o trastorno obssessivo compulsivo /TOC de um estudante com altas habilidades na escola regular: um estudo de caso. – Universidade do Estado do Rio de Janeiro - Ciências Médicas, RJ, 01/11/2008.
DISSERTAÇÕES DE MESTRADO
DELOU Cristina Maria Carvalho. Identificação de superdotados: uma alternativa para sistematização da observação de professores em sala de aula. Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Educação, RJ, 01/08/1987
COSTA, Pinto Yara Macieira da. A relação entre narcisismo e genialidade. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Psicologia, RJ, 01/09/1995.
SABATELLA, maria lucia prado. Instituto para otimização da aprendizagem - uma alternativa educacional para alunos superdotados e talentosos. Universidade Federal d Sabatella, Maria Lucia Prado. Instituto para Otimização da Aprendizagem - Uma Alternativa Educacional para Alunos Superdotados e Talentosos. Universidade Federal do Paraná, Educação, PR, 01/09/1995o Paraná, Educação, PR, 01/09/1995
ASSIS, Arbila Luiza Armindo. O aluno superdotado nas camadas populares. Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Educação, RJ. 01/11/1995.
MALDANER, Elisabete Beatriz. O desenho da figura humana e a identificação precoce de superdotação. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Psicologia, RS, 01/11/1996.
BECKER, Maria Alice D'Ávila. Educação especial: estímulo ambiental e potencial para altas habilidades em pré-escolares. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Psicologia, RS, 01/01/1997.
PINHO, Márcia Cristina Gomes de. O papel da escola na estruturação do autoconceito de alunos superdotados. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Psicologia, RJ, 01/12/1997
CÂMARA, Cláudia Gardel. Auto-alfabetização precoce: indício de superdotação ou resposta a um ambiente rico em estímulos? Universidade de São Paulo, Psicologia, SP, 01/04/1999.
SISTÊLOS, Antonio José Cané Martins. Um ambiente computacional de apoio ao método de avaliação autêntica: projeto poeta (portfolio eletrônico temporal e ativo). - 01/05/1999
VIEIRA, Nara Joyce Wellausen. Gênio da lâmpada quebrada! Um estudo psicanalítico da relação professora-aluno portador de Altas Habilidades. Universidade Federal do Rio Grande do Sul – Educação, RS. 01/10/1999.
Susana Graciela Pérez Barrera Pérez
Doutora em Educação (PUC-RS)
MAIA, Christiane Martinatti. Brincar, não brincar: eis a questão? Um estudo sobre o brincar do portador de altas habilidades. Universidade Federal do Rio Grande do Sul – Educação, RS. 01/02/2000.
COSTA, Mara Regina Nieckel. Um estudo sobre o adolescente com altas habilidades: seu "olhar" sobre si mesmo, seu "olhar " sobre o "olhar " do outro. PPGEDU. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2000.
FERREIRA, Andreia da Silva. Representação social de escola segundo alunos superdotados. Universidade Federal do Espírito Santo, Psicologia, ES, 01/10/2000
DUQUE, Flávia Helena De Oliveira. Com a palavra os portadores de altas habilidades – características, gostos e necessidades. Universidade do Estado do Rio de Janeiro – Educação, RJ– 01/02/2001
FRANCO, Eliana Toledo Sirimarco. Capacidade acadêmica elevada: experiências singulares de cinco alunos na escola fundamental. Universidade Federal de Juiz de Fora – Educação, MG– UFJF, 01/04/2001
REIS, Elizabeth dos. Superdotação e psicanálise: uma questão do desejo - Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano, SP, Universidade de São Paulo - 01/10/2001
REIS, Haydea Maria Marino de Sant'Anna. Cidadania e exclusão: a representação social da inteligência em portadores de altas habilidades. RJ, UERJ, Educação. 01/11/2001
SOUZA, Jamili Rasoul Salem de. O trabalho junto ao superdotado em nossa realidade - Universidade Metodista de São Paulo - Psicologia da Saúde, SP. 01/11/2001
BARBOSA, Maria Cláudia Dutra Lopes. Inteligência prática na sala de aula: a inclusão das diferenças e o compartilhar das altas habilidades. Universidade do Estado do Rio de Janeiro – Educação, RJ. 01/12/2001
ROCHA, Regina Celi da Silva. O Desperdício de talentos em escolas da Rede Estadual de Ensino em Volta Redonda (RJ): algumas formas de representação social. RJ, UERJ, Educação. 01/01/2002
TSUBOI, Maria da Penha Padilha. Um percurso nacional - 20 anos de estudos sobre altas habilidades/superdotação: a contribuição discente dos programas de Pós-Graduação - Universidade do Estado do Rio de Janeiro – Educação, ES. 01/01/2002
PINTO, Renata Rodrigues Maia. Avaliação das Práticas Educacionais Implementadas em um Programa de Atendimento a Alunos Superdotados e Talentosos. Universidade de Brasília – Psicologia, DF. 01/05/2002
NICOLOSO, Claudia Maria Ferreira. Questões norteadoras a uma proposta de atendimento a portadores de altas habilidades: conceituação, a definição de Joseph Renzulli e sugestões de currículo. RS, UFSM, Educação. 01/09/2002
PIRES, Débora Diva Alarcón Pires. A Representação Social da Inteligência em Familiares de Adolescentes Considerados Superdotados. Universidade Católica de Goiás – Psicologia, GO. UCG, 01/10/2002
VIANA, Jacilene Mesquita. Emoção, inteligência e aprendizagem: a busca de caminhos possíveis para o desenvolvimento de altas habilidades em sala de aula – RJ, UERJ, Educação, 01/03/2003
BITTELBRUNN, Ivonete Bitencourt Antunes. O silêncio da Escola Pública: Um estudo sobre os programas de atendimento aos alunos com indicadores de superdotação no Estado de Mato Grosso do Sul – Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – Educação, MS. 01/08/2003
SOARES, Ana Maria Irribarem. A construção da autonomia moral e intelectual em portadores de altas habilidades - Universidade Federal do Paraná – Educação, PR. 01/08/2003
CHAGAS, Jane Farias. Características familiares relacionadas ao desenvolvimento de comportamentos de superdotação em alunos de nível sócio-econômico desfavorecido – Universidade de Brasília – Psicologia, DF. 01/08/2003
ASPESI, Cristina de Campos. Processos Familiares Relacionados ao Desenvolvimento de Comportamentos de superdotação em Crianças de Idade Pré-Escolar - Universidade de Brasília – Psicologia, DF. 01/09/2003
SILVA, Tadeu Correa da. Programa de revelações e aptidões e capacidades desportivas de atletas portadores de altas habilidades: do senso comum à metacognição intuitiva. Universidade Castelo Branco - Ciência da Motricidade Humana - 01/11/2003
VIANA, Tânia Vicente. Caminhos da excelência da escola pública de Fortaleza: o conceito de altas habilidades dos professores. Universidade Federal do Ceará - Educação- 01/11/2003
GUIMARÃES, Ana Cristina Maia. Um estudo sobre a formação do professor e a inclusão da criança superdotada. – Universidade de Uberaba – Educação, MG, 01/03/2004
PÉREZ, Susana Graciela Pérez Barrera. Gasparzinho vai à Escola: um estudo sobre as características do aluno com altas habilidades produtivo-criativo – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul – Educação, RS. 01/07/2004
RIBEIRO, Viviane Teles. A relação entre superdotado, inteligência maquiavélica e consciência moral. Universidade Católica de Goiás – Psicologia, GO.- 01/12/2004
SILVA, Maria de Lourdes Lunkes da. Indicadores de altas habilidades entre os reclusos do centro de atendimento sócio-educativo no município de Santo Ângelo – RS Educação. UFSM. 01/03/2005
Susana Graciela Pérez Barrera Pérez
Doutora em Educação (PUC-RS)
OUROFINO, Vanessa Terezinha Alves Tentes de. "Características cognitivas e afetivas entre alunos superdotados, hiperativos e superdotados/hiperativos: Um estudo comparativo". Universidade De Brasília – Psicologia - 01/05/2005
COUTINHO, Marcelina Marri Baptista. Altas habilidades: o PRISMA da família. Universidade do Estado do Rio De Janeiro - Educação. 01/08/2005
RANGNI, Rosemeire de Araujo. O atendimento às pessoas com altas habilidades no Estado de São Paulo. SP, UCSP, Educação. 01/08/2005
MELO, Marli Alves Flores. Avaliação das práticas pedagógicas desenvolvidas em Matemática em um programa de atendimento a alunos portadores de altas habilidades. Universidade Católica de Brasília - Educação 01/10/2005
MOREIRA, Geraldo Eustâquio. Perfeccionismo em adolescentes superdotados atendidos em um programa para alunos com altas habilidades/talentosos. Universidade Católica de Brasília – Educação, 01/10/2005
GERMANI, Larice Maria Bonato. Características de altas habilidades/superdotação e de deficit de atenção/hiperatividade: uma contribuição à família e à escola. PUC-RS, Educação 01/01/2006
BRAGA, Gisele Pandolfo Vivências de uma Prática Pedagógica Integral na Perspectiva Espinosana. Universidade Federal do Rio Grande do Sul - Educação 01/04/2006
JARDIM, Graciane Lopes. Inteligência e conhecimento geral e atual de crianças escolares de altas habilidades cognitivas. Universidade Federal de Minas Gerais - Psicologia. 01/11/2006
MARTINS, Claudia Solange Rossi Martins. A Identificação do Aluno com Potencial para Altas Habilidades/Superdotação do Sistema Educacional Adventista em Manaus. AM, UFAM, Educação. 01/12/2006
DEVALLE, Andreia Jaqueline. Estudo de caso de uma criança com características de altas habilidades: problematizando questões referentes à inclusão escolar RS, UFSM, Educação. 01/01/2007
ARNAL, Leila de Souza Peres. Educação escolar inclusiva: a prática pedagógica nas salas de recursos. Universidade Estadual de Maringá, Educação. 01/03/2007
BRANDÃO, Silvia Helena Altoé. Alunos com altas habilidades/superdotação: o atendimento em sala de recursos no estado do Paraná, PR, UEM, Educação. 01/03/2007
MACHADO, Andrezza Belota Lopes. Realidade e Perspectivas para a Educação de Alunos com Potencial para Altas Habilidades/Superdotação na Cidade de Manaus. AM, UFAM, Educação. 01/04/2007
CRUZ, Carly. A construção de práticas de atendimento ao aluno com altas habilidades/superdotação no espírito santo: um estudo sobre o projeto de atendimento ao aluno talentoso – PAAT. ES, UFES, Educação. 01/10/2007
PERAINO, Mariangela Alonso Capasso. Adolescente com altas habilidades/superdotação de um assentamento rural: um estudo de caso. MS, Universidade Católica Dom Bosco, Psicologia. 01/11/2007
OLIVEIRA, Cynthia Garcia. Altas habilidades na perspectiva da subjetividade MS, FUMS, Educação. 01/12/2007
FORTES, Caroline Correa. Contribuições do pit - programa de incentivo ao talento no processo de aprendizagem e desenvolvimento de um aluno com altas habilidades. Universidade Federal de Santa Maria - Educação, RS. 01/03/2008.
PEREIRA, Vera Lucia Palmeira. A Inclusão Educacional do Aluno Superdotado nos Contextos Regulares de Ensino. Universidade Católica de Brasília, Educação, DF, 01/05/2008.
MATTEI, Giovana. Altas Habilidades: (re) construindo narrativas. Universidade de Passo Fundo – Educação, RS. 01/07/2008.
PERIN, Elenara Dias. Investigando potencial para Altas Habilidades em jovens autores de ato infracional. Universidade Federal do Amazonas – Educação, AM. 01/07/2008.
BARRETO, Célia Maria Paz Ferreira. Altas habilidades / superdotação: representações sociais dos professores do Colégio Pedro II - 01/08/2008
PELLEGRINO, Vilma Barbosa. Dinâmica familiar e atendimento a adolescentes com altas habilidades e talentos. Universidade Salgado de Oliveira – Psicologia, RJ. 01/08/2008.
REIS, Ana Paula Poças Zambelli dos. Representação Feminina em Um Programa de Atendimento às Altas Habilidades/Superdotação. Universidade Católica de Brasília – Educação, 01/0/2008.
MOURA, Lucimeire Alves. Da classificação à promoção da aprendizagem: avaliação de alunos com Altas Habilidades. Universidade Federal do Ceará – Educação, CE. 01/02/2009.
SILVA, Paulo Vinicius Carvalho. Fatores Familiares Associados ao Desenvolvimento do Talento no Esporte. Universidade de Brasília, Psicologia, 01/03/2009.
SILVA, Izamara da. Talento acadêmico e desenvolvimento escolar: A importância da motivação no contexto educacional. Universidade Salgado de Oliveira - Psicologia, RJ. 01/03/2009.
CARDOSO, Adriana Oliveira Guimarães. Identificando Adolescentes em Situação de Rua com Potencial para Altas Habilidades/Superdotação - 01/06/2009.
Susana Graciela Pérez Barrera Pérez
Doutora em Educação (PUC-RS)
MORAES, Cristina Lucia Silva dos Santos. Altas Habilidades/Superdotação em crianças e adolescentes negros. Universidade Salgado de Oliveira, Psicologia, RJ. 01/06/2009.
GUIMARÃES, Tânia Gonzaga. Estudo de caso de um aluno superdotado com transtorno de asperger: desenvolvimento, características cognitivas e sócio-emocionais. Universidade Católica de Brasília – Psicologia, DF. 01/08/2009.
MONTE, Patrícia Melo do. A aprendizagem do adolescente com altas habilidades: um estudo de caso na perspectiva da teoria da subjetividade. Fundação Universidade Federal do Piauí – Educação, PI. 01/08/2009.
NEGRINI, Tatiane. A escola de surdos e os alunos com altas habilidades/superdotação: uma problematização decorrente do processo de identificação das pessoas surdas. Universidade Federal de Santa Maria – Educação, RS. 01/08/2009.
OLIVEIRA, Marilu Palma de. Expectativas da família em relação à escolarização do seu filho com Altas Habilidades. Universidade Federal de Santa Maria – Educação, RS. 01/11/2009.
BIFON, Meire da Fonseca. A Constituição social da potencialidade humana: contribuição para o estudo da superdotação. Universidade Estadual de Maringá – Psicologia, PR, 01/12/2009.
DELPRETTO, Bárbara Martins de Lima. A pessoa com altas habilidades/superdotação adulta: análises do processo de escolarização com elementos da contemporaneidade. Universidade Federal de Santa Maria – Educação, RS. 01/12/2009.
FILMES INTERESSANTES RELACIONADOS COM O TEMA
1. À procura de Bobby Fischer (ou Lances Inocentes)
2. Encontrando Forrester
3. Matilda
4. Prenda-me se for capaz
5. Mentes brilhantes
6. Uma mente brilhante
7. Quase Deuses
8. O escocês voador
9. Prova de fogo
10. Miss Potter
11. À procura da felicidade
12. Gênio Indomável
13. Desafiando limites
14. Vida de inseto
15. Como treinar seu dragão
SITES INTERESSANTES
Conselho Brasileiro para Superdotação (ConBraSD) – www.conbrasd.org
Associação Gaúcha de Apoio às Altas Habilidades/Superdotação (AGAAHSD) – www.agaahsd.com.br

Novos testes vão detectar resistência a medicamentos em pacientes com aids

http://www.blog.saude.gov.br/
Novos testes vão detectar resistência a medicamentos em pacientes com aids:

Foto: Randy Faris/Corbis
Alguns medicamentos usados no tratamento da aids eventualmente deixam de fazer efeito em alguns pacientes. Para detectar o porquê disso, há dez anos foi criada a Renageno, Rede Nacional de Genotipagem do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde. Nesta segunda-feira, a rede anunciou a realização de dois novos testes para detectar a resistência do vírus HIV a novos medicamentos recentemente incorporados pelo SUS. Além disso, a rede vai passar a identificar também a resistência para vírus B e C de hepatites.
O assessor técnico do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Ronaldo Hallal, explica que a nova tecnologia melhora a qualidade de vida do paciente: ”Com a realização desses exames, demonstrar quais são os medicamentos que ainda estão ativos, estruturando o esquema de tratamento e pode fazer o mesmo agora para medicamentos chamados de terceira linha que são as novas classes de medicamentos que os pacientes que já são multi experimentados, que têm multirresistência do HIV, usam esses novos medicamentos e aí gente pode também identificar se já há resistência a esses novos medicamentos e, com isso, o médico estruturar o esquema de resgate do paciente.”
Ronaldo Hallal conta que 23 laboratórios em todas as regiões do País realizam gratuitamente os exames de genotipagem e seis, que são considerados laboratórios de referência, vão realizar os novos exames dentro dessa rede. ”O médico pede o exame, o paciente coleta e a amostra de sangue chega ao laboratório e processa, e se tem um resultado. E aí entra uma figura nova, uma figura que já existe nesses 10 anos, chama médico de referência de genotipagem. É o médico treinado pelo ministério que recebe o treinamento mais intensivo para interpretação desses resultados e que faz um aconselhamento para o médico assistente orientando os esquemas mais adequados para aquele seu paciente que fez o exame.”
Participaram do encontro pesquisadores, médicos e gestores que fazem parte da Rede Nacional de Laboratórios de Genotipagem.
Ouça a matéria da Web Rádio Saúde

Fonte: Hortência Guedes / Web Rádio Saúde

AGENDA DA PROMOÇÃO DA SAÚDE: 14 a 20 de abril

http://elosdasaude.wordpress.com/

AGENDA DA PROMOÇÃO DA SAÚDE: 14 a 20 de abril:
CAMINHADA CONTRA A DENGUE
Neste sábado, 14 de abril, tem Caminhada Contra a Dengue na cidade do Rio de Janeiro! A atividade é uma iniciativa do Movimento Carioca por uma Cidade Mais Saudável, em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro (SMSDC-RJ), para a mobilização da população para o controle da dengue e a eliminação coletiva de possíveis criadouros do mosquito Aedes aegypti. A concentração acontece às 8 horas da manhã, em todas as unidades de saúde da cidade. Para participar, compareça ao ponto de encontro mais próximo de sua residência!
PARTICIPAÇÃO COMUNITÁRIA
A Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz (Ensp/Fiocruz) promove nesta terça-feira, 17 de abril, mais uma edição do ciclo de debates Participação e Tecnologia Social em Saúde. A palestra Participação comunitária: o que queremos com isso? será o ponto de partida sobre a participação social em projetos e políticas de saúde. A atividade será realizada de 9h às 17h no salão internacional da Ensp/Fiocruz e é aberta ao público. O evento também será transmitido pela Internet.
JUVENTUDE E HOMOSSEXUALIDADE
Nesta quarta-feira, 18 de abril, o Em Cine – Ciclo de Debates exibe o filme Delicada Atração, que conta a história de dois adolescentes gays e suas relações com a família e a sociedade. Após a exibição, o debate sobre juventude e homossexualidade será coordenado pelo psicólogo Luan Cassal, coordenador adjunto do Projeto Diversidade Sexual na Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). O Em Cine – Ciclo de Debates é uma iniciativa do Instituto de Psicologia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e acontece toda última quarta-feira do mês, de 17h30 às 20h30, na UERJ (Rua São Francisco Xavier, 524, 10º andar, Tijuca). Mais informações pelo telefone  (21) 2334-0872 ou pelo email proadol@uerj.br.
OPORTUNIDADE PARA JOVENS
Estão abertas até 19 de abril, quinta-feira, as inscrições para o Amigo do Seguro, programa de responsabilidade social da Escola Nacional de Seguros, realizado em parceria com a Fundação Mudes. O programa oferece gratuitamente o Curso de Iniciação ao Trabalho, com aulas de Noções de Língua Portuguesa, de Informática, Conceitos Básicos de Seguros, Excelência no Atendimento, Orientação Profissional e Laboratório de Seguros. Após a conclusão da etapa da aula, cuja duração é de cerca de um mês, os estudantes são encaminhados para programas de estágio em empresas do mercado de seguros. No Rio de Janeiro, são 30 vagas disponíveis para jovens entre 16 e 20 anos, que estejam cursando o primeiro ou o segundo ano do ensino médio em escolas públicas, no turno da manhã ou da noite. Os interessados devem enviar o currículo para  ana.furlan@mudes.org.br, com o assunto “Vaga do Amigo do Seguro”.
PARA ENFERMEIROS E DENTISTAS
O Ministério da Saúde oferece bolsas de especialização para atuação de odontólogos e enfermeiros na atenção básica, em municípios onde há carência de profissionais.
A ação foca os profissionais selecionados pelo Programa de Valorização da Atenção Básica (Provab), que atuarão nos pequenos municípios, em áreas de extrema pobreza e nas periferias das grandes cidades, com bolsa mensal no valor de R$ 2.384,82. Com duração de um ano, a especialização terá jornada de 40 horas semanais – 32 em serviço nas unidades básicas e oito teóricas, sob supervisão de universidades parceiras do programa. Estas instituições darão suporte presencial e à distância por meio do programa Telessaúde, coordenado pelo Ministério da Saúde. O edital do curso será lançado até 20 de abril, de modo que os profissionais possam se matricular até o fim do mês. As aulas e o início do serviço começarão em maio.

Rio tem 9 mortes por dengue em 2012, diz Secretaria de Saúde

http://g1.globo.com/
Rio tem 9 mortes por dengue em 2012, diz Secretaria de Saúde: Desde 1º de janeiro, o número de casos na cidade chega a 40.252. Há surto em Madureira, Bangu, Realengo e Campo Grande, diz secretário.

CURSOS SOBRE DIVERSIDADE NA ESCOLA

http://www.pr5.ufrj.br/diversidade/


CURSOS SOBRE DIVERSIDADE NA ESCOLA
UFRJ abre inscrições de cursos de extensão para educadores/as
 
 
Estão abertas as inscrições para os cursos de extensão realizados pelo projeto Diversidade Sexual na Escola da UFRJ. Em 2012, serão oferecidos dois cursos. Um intitulado Diversidade Sexual e de Gênero na Escola, aberto a qualquer profissional de educação. Além de uma turma no Centro do Rio e outra na Cidade Universitária, serão abertas duas turmas em Niterói, em parceria com a Fundação de Educação do município.
 
Outro curso oferecido se chama Diversidade na Escola e, além do conteúdo do primeiro, agrega dois módulos adicionais: "Juventudes" e "Diversidade étnico-racial". Esta edição é desenvolvida em parceria com a Prefeitura do Rio, através do programa Rio Escola Sem Preconceito e voltado prioritariamente para profissionais da rede municipal de ensino do Rio de Janeiro.
 
Os cursos são inteiramente gratuitos e dirigidos a todos/as os/as profissionais que atuem na rede pública de educação básica – professores/as, gestores/as, diretores/as, coordenadores/as pedagógicos/as, orientadores/as pedagógicos/as ou educacionais, profissionais administrativos/as e de apoio. Podem se inscrever também profissionais da rede privada, estudantes de cursos de graduação e de formação de professores; profissionais de saúde; pesquisadores e militantes em sexualidade e direitos humanos, de acordo com a disponibilidade de vagas.
 
O Projeto Diversidade Sexual na Escola é uma realização da Universidade Federal do Rio de Janeiro, vinculado à Divisão de Integração Universidade Comunidade da Pró-Reitoria de Extensão, realizado em parceria com a Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão do Ministério da Educação. Como ações principais, o projeto realiza atividades de formação e sensibilização junto a profissionais de educação da rede pública e estudantes da educação básica, além do desenvolvimento de materiais de orientação para educadores.
 

“TIRANDO A DROGA DE CENA 2012”

http://nonacre.blogspot.com/
“TIRANDO A DROGA DE CENA 2012”:


LANÇAMENTO DO EDITAL DO CONCURSO DE PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS 
“TIRANDO A DROGA DE CENA 2012"



A Coordenadoria Especial de Promoção da Política de Prevenção à Dependência Química - CEPDQ, do Gabinete do Prefeito e a Coordenadoria de Educação E/SUBE/CED, da SME, lançam hoje o Edital do Concurso “Tirando a Droga de Cena”, de produções audiovisuais, na Rede Pública Municipal de Ensino.


Serão selecionados até 15 (quinze) trabalhos, sobre o tema “Prevenção ao Uso de Drogas”, produzidos e realizados por alunos matriculados do 4º ao 9º Ano do Ensino Fundamental, incluídos os alunos participantes dos Projetos de Reforço Escolar, e no Programa de Educação de Jovens e Adultos das escolas da Rede Pública do Sistema Municipal de Ensino, incluindo aqueles matriculados no Espaço de Extensão Escolar (Pólos de Educação pelo Trabalho, Núcleos de Arte e Clubes Escolares).

Durante o desenvolvimento do projeto, os alunos participarão de pesquisas, discussões e reflexões sobre o tema “Prevenção ao Uso de Drogas” e serão acompanhados por professores orientadores.
As produções deverão abordar acontecimentos ligados ao tema proposto, obedecendo às características do gênero, podendo ser documentário, ficção ou inspiradas em fatos reais e realizadas através de filmagem, animação ou montagem, utilizando filmadora, câmera digital, telefone celular ou webcam.


Através desse projeto, pretende-se difundir, entre os alunos da Rede Pública Municipal de Ensino do Rio de Janeiro, a necessidade de buscar constantemente a melhoria da qualidade de vida, a conscientização sobre as conseqüências do uso / abuso de drogas na construção da cidadania plena, tendo como veículo a linguagem audiovisual.


Fonte: DO

Jornal do Brasil - Rio - Município premia unidade escolar por melhor desempenho na Prova Rio 2011

http://www.jb.com.br/rio/noticias
Jornal do Brasil - Rio - Município premia unidade escolar por melhor desempenho na Prova Rio 2011

Aprendizagem alia educação, emprego e renda aos jovens brasileiros

http://www.blog.saude.gov.br/
Aprendizagem alia educação, emprego e renda aos jovens brasileiros:
Tenho acompanhado na imprensa brasileira as discussões sobre os desafios da educação, principalmente em relação ao ensino técnico e às iniciativas louváveis para sua ampliação, como a do Sistema S e o recém-criado Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), do Governo Federal.

































O espaço “Coluna Livre” publica artigos de opinião produzidos por leitores do Portal Aprendiz. O texto “Aprendizagem alia educação, emprego e renda aos jovens brasileiros” é de autoria de Marinus Jan van der Molen, engenheiro civil e superintendente executivo do Espro e membro do Fórum Nacional de Aprendizagem.
Segundo o Censo da Educação Básica de 2011, o total geral de matrículas nas escolas públicas e privadas do país caiu em torno de 2,1% em relação ao ano anterior, principalmente nos anos iniciais do ensino fundamental. No total, o Brasil fechou o ano com 50,972 milhões de matrículas em todos os ciclos, da creche ao ensino médio, passando por educação de jovens e adultos, portadores de deficiência e cursos técnicos.
A Secretaria de Educação Profissional e Tecnologia do Ministério da Educação (MEC) estima que, em 2011, as matrículas nos cursos técnicos cresceram 10%, totalizando cerca de 1,5 milhão de alunos. Mesmo com a boa notícia, o número  corresponde somente a 15% do total de alunos matriculados no ensino médio e fica, ainda, aquém dos países que investem em educação profissionalizante. Como é o caso de nossa vizinha, Argentina – que tem este índice em 25% -, a Espanha, com 30%, e a Alemanha chegando a 50%.
A oferta do ensino profissionalizante no país carece de um maior alinhamento com a realidade do mercado de trabalho, de forma a atender ao apagão da mão de obra qualificada e às necessidades futuras de empregabilidade no Brasil, principalmente nas áreas de Tecnologia da Informação e Comunicações e Educação.
O estudo “As razões da Educação Profissional: Olhar da Demanda”, publicado em fevereiro 2012, pela CPS/FGV, informa que 77,5% da população com mais de 10 anos nunca frequentou um curso de profissionalização e o motivo principal alegado por 68,8% dos entrevistados é a falta de interesse. Porém, governo, instituições de ensino e a sociedade precisam, urgentemente, entender melhor esse desinteresse, falta de motivação e descrença na educação como meio de emancipação socioeconômica.




Acesse o Conexão Aprendiz e saiba tudo sobre a Lei de Aprendizagem.
A evasão escolar causada pela iniciação no mercado de trabalho é outra grave realidade praticada pelos jovens e, com isso, torna-se um grande problema para a sociedade que vislumbra um crescimento sustentável. Não raro, este ingresso precoce ocorre em vagas “informais”, com poucas garantias trabalhistas e sociais, e em condições questionáveis de segurança e salubridade. Verdadeiros “sub-primeiro-empregos”.
Seja pela falta de estímulo na escola, seja pela necessidade de ganhar dinheiro para demandas pessoais ou para ajudar no sustento da sua família, o fato é que quem entra precocemente no mercado de trabalho corre um risco maior de ser expulso deste mesmo mercado, também de forma precoce, pela falta de investimento educacional.
A cada ano, o mercado tende a exigir níveis maiores de escolaridade dos candidatos às vagas disponibilizadas. Ainda na primeira década deste século, a exigência mínima de 11 anos de estudo (ensino médio completo) aumentou em 40%, enquanto a demanda para quem tinha de 8 a 9 anos de estudo (ensino fundamental) reduziu em cerca de 33%.
O nível de escolaridade também está diretamente relacionado à remuneração. É o que mostra o Anuário do Sistema Público de Emprego, Trabalho e Renda 2010-2011, divulgado pelo Dieese, e o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), quanto menor o grau de instrução, mais baixo é o salário.
Lei de Aprendizagem
A Aprendizagem é uma política pública importante que contribui para evitar a evasão escolar, pois além de oferecer uma possibilidade de renda, exige que os jovens brasileiros freqüentem a educação formal pelo menos até o nível médio e garante o aumento do seu grau de educação profissional.
Quando um jovem participa de um programa de Aprendizagem obtém qualificação social e profissional adequada às suas demandas e diversidades, em sua condição peculiar de pessoa em desenvolvimento no que tange às dimensões ética, cognitiva, social e cultural do aprendiz.
O contrato de Aprendizagem também oferece as garantias de direitos tanto trabalhistas quanto assistenciais, permite a formação técnico-profissional básica, o acompanhamento do jovem e regulamenta o desempenho das entidades formadoras que tenham por objetivo a assistência ao adolescente e a educação profissional.
Entretanto, o fator que considero mais importante no programa de Aprendizagem é a prevalência do aspecto educacional sobre o aspecto produtivo. Educação em 1º lugar! Oferecer uma melhor educação para todos é um desafio gigantesco para o país e é o melhor e mais rentável investimento que temos a fazer.
Neste contexto, as instituições que oferecem Aprendizagem promovem uma ampliação de conceito de educação, que não fica restrita apenas aos processos de ensino-aprendizagem no interior das unidades escolares. Ao contrário, há – especialmente no caso das ONGs – a convocação para transpor os muros das escolas, a extrapolar os limites da educação formal, a desencadear e gerir processos educativos em espaços comunitários, articulando parcerias e promovendo ações espontâneas do chamado terceiro setor. É a manifestação da responsabilidade social agindo por meio da educação profissional. Trata-se de um poderoso instrumento para diminuir a desigualdade de acesso ao mundo de trabalho para propiciar a profissionalização da população juvenil.
Segundo o MTE, existem atualmente mais de 198 mil contratos de Aprendizagem em todo o País. A meta do Governo Federal é chegar, até 2015, ao número de 1,200 milhão de admitidos. Entendemos o quanto é fundamental o envolvimento entre empresa, governo e organizações certificadoras como a nossa, para que esses números possam sair do papel. Contribuir para isso é o nosso papel e o que milhares de jovens brasileiros esperam de nós.