sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

PROFESSORES PCRJ/SME - Rafael Parente

FONTE: EDUCADÃO
Vou enviar uma circular na 2a feira, mas já adianto por aqui. As escolas e creches estão oficialmente autorizadas a contratar, de forma temporária e via SDP, banda larga para o atendimento de suas necessidades de acesso à internet e utilização de equipamentos (micros, tabletes, netbooks e notebooks) em sala de aula. Elas deverão contactar, quando possível, 3 operadoras que prestam o serviço na região. A escolhida deverá ser a que possui o menor preço na velocidade desejada pela unidade. Essa velocidade não deverá ultrapassar 35 Mbps e os valores máximos praticados na contratação não podem passar de:
1 Mbps: R$ 49,90
2 Mbps: R$ 59,90
5 Mbps: R$ 69,90
10 Mbps: R$ 119,90
15 Mbps: R$ 114,90
20 Mbps: R$ 229,90
35 Mbps: R$ 149,90
Peço a colaboração de vocês para que a notícia circule e as direções façam as contratações.

Inscrições abertas para o curso de Empreendedorismo Comunitário

FONTE: SMAS

As vagas são para o módulo Centro da cidade
O Centro de Empreendedorismo Comunitário da Assistência Social Presidente José Ramos-Horta, vinculado à Secretaria Municipal de Assistência Social (SMAS), está com inscrições abertas para 30 vagas no módulo Centro da cidade do curso de Empreendedorismo Comunitário, voltado para pessoas com baixa renda, interessadas em abrir ou aprimorar o próprio negócio.
A inscrição para o processo seletivo deverá ser feita até o dia 2 de março, por meio dos telefones 3111-1149 e 3111-1030, ou na sede do Centro de Empreendedorismo, no Centro de Cidadania Rinaldo de Lamare, situado na Avenida Niemeyer, 776 / 7º andar, em São Conrado, de segunda a sexta-feira, das 9 às 17 horas. As aulas deste módulo acontecerão no prédio da Caixa Econômica Federal, no Centro.
Os pré-requisitos para a inscrição são os seguintes: ser morador da cidade do Rio de Janeiro e ter idade mínima de 18 anos. O processo seletivo tem por objetivo avaliar se o candidato já possui experiência em trabalho por conta própria ou projeto social, qualificação no ramo que atua ou que atuará. Na primeira etapa o candidato preencherá uma ficha e participará de uma dinâmica de grupo. Depois de aprovado na primeira fase, o interessado passará pela última etapa em uma entrevista individual.
O curso de empreendedorismo comunitário, coordenado pelo Núcleo de Inclusão Produtiva da Subsecretaria de Proteção Social Básica da SMAS, tem duração de dois meses e oferece conhecimentos teóricos e práticos necessários ao desenvolvimento de empreendimentos comerciais e sociais, como estratégia de fortalecimento da geração de renda e inclusão social. Os alunos têm aulas de Introdução ao Empreendedorismo Comunitário, Ética e Direitos Humanos, Desenvolvimento Econômico Local, Vida Urbana, Gestão de Negócios, além de participarem de seminários e palestras sobre o tema. O Centro de Empreendedorismo do município também oferece orientações para divulgar o negócio e aumentar as chances de sucesso do negócio, grupos de discussões, seminários e visitas em campo para complementar os ensinamentos das aulas.

Inscrição do Auxílio-Educação 2012 termina hoje.

Apresentação de documentos deve acontecer até dia 5. Confira listas do 1º lote do Previ-Material Escolar e do Auxílio-Creche

24/02/2012

Termina nesta sexta-feira (24/2) o prazo para inscrição para o Auxílio-Educação 2012, em duas de suas modalidades: Previ-Educação e Previ-Material Escolar, que começou no dia 18/1. O Auxílio-Creche permanece aberto o ano inteiro. Para se inscrever, é preciso acessar a página da Previ - Instituto de Previdência e Assistência do rio de Janeiro (www.rio.rj.gov.br/web/previrio). As solicitações destes benefícios devem ser feitas exclusivamente pela internet.


Os pagamentos do 1º lote do Previ-Material Escolar e do Auxílio-Creche de janeiro saem na próxima quarta-feira, dia 29/2. Receberão este primeiro benefício 24.519 servidores, somando R$ 1.225.850. No segundo, serão beneficiados 2.332 servidores, no valor total de R$ 583.000.



Ainda não está sendo pago o 1º lote do Previ-Educação porque o Instituto aguarda o repasse de um volume mínimo de documentos para análise. A entrega da documentação do Previ-Educação expira no dia 5 de março e os RHs das respectivas áreas têm até dia 12 de março para entregar os documentos.

O Previ-Educação será concedido aos servidores que ganharem até R$ 2.180 em dezembro de 2011 e a ajuda é equivalente ao salário mínimo (R$ 622) por dependente menor matriculado na escola. Pensionistas menores também têm direito ao benefício. Já o Previ-Material Escolar, no valor de R$ 50 por filho ou de R$ 100 para quem tem mais de um, será concedido independemente da faixa salarial. Ambos benefícios são pagos apenas uma vez no ano.



Já o Previ-Creche contemplará filhos com idade de 1 a 6 anos e será de R$ 250 mensais por criança, desde que a remuneração do servidor não tenha ultrapassado R$ 1.635 no mês de dezembro passado.



Para ser habilitado a receber o Previ-Educação, o servidor deve apresentar a declaração escolar constando que o beneficiário encontra-se matriculado para o ano letivo de 2012; com assinatura do funcionário ou do responsável pela instituição de ensino com a respectiva identificação e a portaria expedida por órgão oficial competente da área de educação, autorizando o funcionamento do estabelecimento de ensino, dispensando-se tal exigência quando se tratar de estabelecimento de ensino público. Também são necessários a cópia do contracheque de dezembro de 2011 e o comprovante de inscrição pela internet. A apresentação da documentação deve ser feita até o 5 de março de 2012.



O servidor ativo deverá entregar a documentação ao Órgão Setorial de Recursos Humanos em que estiver lotado, que se encarregará de repassá-la à Gerência de Atendimento da Diretoria de Previdência e Assistência do PREVI-RIO, até o dia 12 de março de 2012. O servidor inativo, o pensionista ou o representante legal do beneficiário deverá apresentar a documentação na Central de Atendimento do PREVI-RIO, à Rua Afonso Cavalcanti, nº 455, bloco II, térreo, das 09 às 16 horas, de segunda a sexta-feira, ou no posto de atendimento do PREVI-RIO no Poupa Tempo, localizado no 2º andar do Shopping Bangu, das 8h às 18h, de segunda à sexta-feira, excetuados os dias e horários em que não haja expediente normal no serviço público municipal.


No caso do Previ-Creche, a comprovação de uso correto do benefício deverá ser feita em 2012 apenas no final do ano. Não é exigida documentação para o recebimento do Previ-Material Escolar.

Google Street View debaixo do mar

http://scienceblogs.com.br/
Lindo demais!!!
Google Street View debaixo do mar:


As imagens são tão incríveis que preciso compartilhar. O Google e a Universidade de Queensland, na Austrália, com o patrocínio do grupo multinacional de seguros Catlin, estão mapeando fotograficamente a Grande Barreira de Corais australiana, a maior do mundo com 2,3 km de comprimento. O objetivo do projeto, chamado Catlin Seaview Survey, é verificar os impactos do aquecimento global nesse ambiente marinho.


Nós, peixes fora d’água, podemos fazer um tour virtual pelo maravilhoso mundo do coral sem molhar um dedinho! As instituições disponibilizam as imagens no esquema Google Street View – Seaview (mar + vista) , pegou? – para qualquer ser humano que navegue na internet. Basta você clicar aqui e cair no mar australiano. Por enquanto, apenas sete pontos do coral estão disponíveis, mas 20 já foram fotografados. O grupo diz que irá publicar as imagens já tiradas – e quem sabe outras novas.

 


Se você tem medo de mergulhar ou curiosidade sobre como é a vida marinha, eis a chance. Não é a mesma sensação que pular no mar carregando um cilindro nas costas, mas dá para saciar a vontade. Além da página do projeto, os organizadores criaram um canal no Youtube – que tem, por enquanto, apenas um vídeo. Para saber mais informações sobre o projeto clique nos links: Catlin Seaview Survey, Universidade de Queensland, press release da Catlin Group, matéria na NewScientist e post no Guizmodo.


Como é mergulhar

Lembro do meu primeiro mergulho com cilindro como se fosse ontem: ponto Cagarras, Fernando de Noronha, 2009. Estava ansiosa no Porto Santo Antônio. Enquanto esperava o barco que nos levaria ao ponto de mergulho, com os cotovelos apoiados no encosto do banco de madeira, observava os siris indo e vindo com a maré no fundo do mar e jogava conversa fora com um forasteiro que se autodenominava “pirata”.

 


Ele morava em São Paulo e, a cada seis meses, seguia para a ilha da fantasia admirar seu animal preferido: a ave fragata. Durante o voo, a pirata aérea rouba o alimento de outros pássaros batendo na cabeça deles até regurgitarem o peixe pescado.

 


O céu da manhã continuava azul límpido pontilhado de próximas aves quando a embarcação aportou. Respirei fundo: a hora se aproximava. Sempre quis mergulhar. Era um sonho, mas ao mesmo tempo, um pesadelo. Sentia falta de ar só por pensar em permanecer debaixo da água presa a um cilindro que tem a metade do meu peso – mal eu sabia seria amarrado, na minha cintura, mais pesos. Mas a curiosidade, para variar, era maior que o meu receio.

 


Após navegarmos por menos de meia hora em direção a outras ilhas do arquipélago mais ao norte, o capitão desliga o motor. Chegamos. Paramos em frente a uma ilha rochosa. O mar estava calmo. O céu também. As aves. Vamos ao que chamam de “bastimo” guiado por instrutores. Tivemos uma breve aula em alto mar sobre mergulho e como proceder com os equipamentos. Beleza! Sou sorteada para ser guiada por um dos instrutores mais experientes – e bem humorados.

 


Vesti o macacão de borracha, os pés de pato, a máscara. O instrutor me ajudou a colocar um colete inflável, pesos na cintura e, por fim, o cilindro. A maioria dos marinheiros de primeira viagem saltaram em direção a água. “Quem garante que o colete suporta na superfície do mar o meu peso e mais o de todos esses equipamentos comigo?”, pensei. Não quis pular. Já na água, o instrutor me deu a mão e eu saltei sentada. Agora, vamos lá!

 


Estava tão tensa que nem reparei no azul profundo em minha volta. Segundos seguidos, fiquei eufórica. U-A-U. Aquele mundo, que só tinha visto em documentário ou da superfície com meu equipamento de snorkeling, se abria. Rapidinho, senti uma paz tomando conta do meu corpo e da minha mente.

 


O guia percebeu que eu não apertava mais a sua mão. Viu minha risada estampada. E me guiou por um mundo de corais que se fecham ao se aproximarem dos dedos, polvo vermelho arredio à nossa presença muito próxima dele, moreias verdes e coloridas ameaçadoras a menos de 30 cm de distância, tartarugas com comportamento parecido ao do filme “Procurando Nemo”.

 


Além da sensação de paz e segurança, o que mais me chamou a atenção foi passar despercebida pelos peixes e tartarugas. Eles não se assustavam com a nossa presença. Pareciam até chegar mais perto por curiosidade. Éramos peixes. Um novo mundo calmo e colorido se abria. Encantador.

 


Atingimos cerca de 15 metros de profundidade. Eu olhava para cima, via o paredão de pedra sobre mim e na superfície o sol refletido. Enquanto viajava naquela nova imensidão, o guia cobrava a subida. A meia hora passou como se fosse um minuto. Eu fazia que não com o dedo e a cabeça. Queria mergulhar mais… De nada adiantou teimar. Colete inflado pelo guia, superfície à vista. Bem que os instrutores alertaram: “Quando estiver lá embaixo, não vai querer subir”. E, assim, eu me apaixonei.

Zé Gotinha é o novo Embaixador da Saúde

http://www.blog.saude.gov.br/
Zé Gotinha é o novo Embaixador da Saúde:

Além de conscientizar os pais e as crianças sobre a importância da vacinação contra a poliomielite, o Zé Gotinha agora vai alertar a todos sobre a importância da prevenção de várias outras doenças. Ele é o novo Embaixador da Saúde e estará atento aos cuidados que a população deve tomar.


Em seu primeiro trabalho como embaixador, o Zé Gotinha gravou uma entrevista ao programa Viver Bem, de Fifi Fofura. Este é um programa do Mundo do Sítio – o mundo virtual do Sítio do PicaPau Amarelo. Ele falou sobre a dengue e esclareceu o que é mito e o que é verdade no tratamento e na prevenção da doença.


Assista:



Esclareça mais dúvidas sobre a dengue:



Mônica Plaza / Blog da Saúde

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL - GUIA ALIMENTAR PARA MENORES DE 2 ANOS

IDÉIAS !!!!Cabides lindos para as nossas salas

http://educacaodeinfancia.com/
Cabides lindos para as nossas salas:

Esta ideia é lindas…Quem não quer uns cabides assim?


 


EU gostava!!!


Quem sabe para o próximo ano letivo…


 


 


Por um mundo melhor - Mente e Cérebro

http://www2.uol.com.br/vivermente/artigos/
Por um mundo melhor - Mente e Cérebro

Prefeitura leva biblioteca a cinco bairros para empréstimo gratuito de livros

Cinco bairros nas zonas Norte e Oeste recebem novamente a visita da Biblioteca Volante João Antônio, da Prefeitura do Rio, na próxima semana, para empréstimo gratuito de um ou dois livros a cada solicitante. Basta apresentar documento de identidade e comprovante de residência no Município do Rio. No caso de menores de idade, além desses documentos dos pais ou do responsável, o interessado deve levar também sua autorização por escrito.


Com atendimento das 10h às 14h, segunda-feira, dia 27, a biblioteca estará na Cidade Alta (Praça Dom Justino); terça, 28, em Coelho Neto (Praça Virgínia Cidade); quarta, 29, no Jardim América (Rua Sebastian Bach); quinta, 1º de março, em Madureira (Praça do Patriarca); e sexta-feira, 2, em Realengo (Avenida Santa Cruz, 1025).

AINDA É CARNAVAL - Shows agitam o Terreirão do Samba

Para não perder o ritmo, o Terreirão do Samba prossegue com intensa programação de carnaval hoje e amanhã. Totalmente revitalizado, o espaço mais popular do samba carioca tem, entre suas atrações, nomes como Belo, Bom Gosto, Marquinhos de Oswaldo Cruz e Dudu Nobre.

A roda de samba será aberta hoje, às 20h, pelo Grupo Coisa Séria. O promoter David Brazil vai apresentar os shows e artistas do grupo Embaixada das Caricatas farão performances teatrais vestidos de drag queen.

MUITO LINDO!!!Para decorar quarto de criança

http://www.copyepaste.com/
Para decorar quarto de criança:
Gaiola de madeira pitada à mão - o pássaro de mentira faz uma serenata de verdade, funciona como uma caixinha de música que toca para a criança dormir.
O pássaro de tecido enfeita a prateleira e apoia os livros.
 Flor patchwork para o quarto da menina.
Inspirados nos famosos relógios da Alemanha onde o cuco sai da casinha e mostra o seu famoso som.
Letras encapadas para personalizar o quarto das crianças.
via

CAMPANHA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE - CRACK É POSSÍVEL VENCER

PSE - NSEC06 - CRACK

Abre alas para a desintoxicação

http://www.ecologiamedica.net/
Abre alas para a desintoxicação:
A medicina tem recursos para limpar o organismo dos venenos liberados pelo excesso de comida, bebida e falta de sono. Mas quantos de nossos exageros podem ser consertados depois da folia?

O corpo intoxicado

O consumo exagerado de gordura, sódio e álcool e a superexposição ao sol e ao cigarro, entre outros hábitos ruins da modernidade, podem comprometer o funcionamento de uma das mais nobres estruturas celulares, as mitocôndrias - pequenas usinas de energia existentes no interior das células. Quando agredidas, elas deflagram a produção excessiva de radicais livres, átomos ou moléculas altamente reativos que podem desequilibrar a bioquímica celular.









Fonte:
http://veja.abril.com.br/noticia/saude/abre-alas-para-a-desintoxicacao

Abaixo alguns textos sobre o tema

Detoxificação e dieta por Dra. Jane Corona
A dieta e a detoxificação interagem em vários pontos. Se por um lado ela é fonte de muitas toxinas naturais e ambientais, ao mesmo tempo fornece fitoquímicos, fibras, aminoácidos e nutrientes que facilitam as duas fases que detoxifica os hormônios, toxinas e as substâncias produzidas pelo organismo durante o seu metabolismo.

São também os componentes da dieta que interagem com os genes que regulam as fases 1 e 2 deste eficiente sistema detox.

As maiores fontes de toxinas da dieta são os xenobióticos, ou seja, resíduos químicos de pesticidas, solventes, herbicidas, aditivos alimentares, metais pesados, e as gorduras trans. O sistema de detoxificação além de nos desintoxicar dos fungos, bactérias, drogas e hormônios produzidas em excesso pelo organismo, tem também que nos livrar destas substâncias potencialmente tóxicas que se acumulam no tecido adiposo.

O sistema detox ocorre na pele, pulmões, rins, intestino e principalmente no fígado. A capacidade funcional para metabolizar e excretar esses compostos varia de pessoa para pessoa e é isso o que determina a quantidade de toxinas que serão acumuladas.

Na fase 1 da detoxificação esses compostos que adoram as gorduras, lipofílicos, são biotransformados, por um grupo de enzimas da família do Citocromo P450, em espécies intermediárias altamente reativas e em substancias potencialmente cancerígenas. Estes compostos intermediários ficam preparados para reagirem com as enzimas da fase 2, as conjugases, que os tornam solúveis em água e prontos para uma rápida excreção pelos rins.

Se não tivermos um sistema detox funcionando com as duas fases de maneira equilibrada, os compostos reativos formados podem oxidar proteínas, lipídeos da membrana celular e até os ácidos nucléicos do DNA.

Durante um jejum prolongado as enzimas da fase 1 aumentam substancialmente e muitos compostos intermediários são formados, resultando num estresse tóxico, porque não há enzimas da fase 2 suficientes para neutralizá-los, uma vez que estas dependem exclusivamente dos componentes dieta. O funcionamento equilibrado dessas duas fases é que permite que os compostos intermediários sejam conjugados, detoxificados, excretados completamente e não se acumulem.

Uma detoxificação para ser eficiente precisa de nutrientes adequados como os folatos das folhas, a vitamina A das frutas e vegetais, as proteínas, a vitamina B12, minerais, como o magnésio e particularmente o enxofre da cebola, alho e dos vegetais crucíferos, como brócolis, couve flor, couve de Bruxelas, repolho, couve, rúcula, nabo e acelga. Esses elementos influenciam no genoma das enzimas da fase 1 e nas reações enzimáticas da fase 2, entre elas, a glucuronidação, sulfatação e acetilação.

Em resumo, os xenobióticos são ameaças constantes para nossa saúde, por isso o organismo conta com um sistema detox muito eficaz e equilibrado para eliminá-los. Quando esse sistema falha, esses agentes tóxicos para proteínas, DNA e lipídeos podem desencadear fadiga crônica, dores musculares ou doenças hepáticas, renais, endócrinas, imunológicas, neurológicas e inclusive câncer

Autora: Dr. Jane Corona, médica com prática em ortomolecular.
Fonte: http://janecorona.blog.uol.com.br/




Detox e seus benefícios por Dra. Sílvia Coelho (artigo originalmente postado na liga da saúde)

Detoxificação ou desintoxicação? Bem na verdade, todos os termos possuem o mesmo significado: eliminação de substâncias tóxicas, que muitas das vezes, ingerimos e nosso organismo por esse excesso de consumo, pode começar a acumular. Todas essas substâncias, principalmente vindo de fármacos, alimentos industrializados e vegetais ricos em agrotóxicos precisam passar por alguns processos bioquímicos no nosso organismo para que tal substância tenha capacidade de eliminação. Esse é um tema longo e abrangente, mas aqui falarei para que possam entender um pouco sobre o assunto.
Esse é um processo fisiológico, nosso organismo sempre vai ser realizá-lo. A detox (como normalmente chamamos) é realizado por todas as células de todos os tecidos, mas principalmente pelo intestino (20%, aproximadamente) e no fígado entre 60 a 65%. Então problemas de constipação intestinal, diarréias recorrentes ou problemas hepáticos (como a esteatose hepática, conhecida como “gordura no fígado”), normalmente podem não estar desempenhando bem essa função.
Porém, existem duas principais limitações: problemas genéticos (que possam impedir ou dificultar a eliminação) ou quando o consumo é maior que a capacidade que nosso organismo tem de eliminação. Verifico na minha prática clínica o segundo problema ocorrendo com muitos pacientes e com frequência, e o motivo: a falta de tempo para um consumo de alimentos com qualidade. A preocupação sempre é a falta de tempo e ainda se o produto consumido é diet ou light.
Caímos em uma outra questão: na sua grande totalidade, esses tipos de alimentos processados tem baixa qualidade nutricional e alta quantidade de adoçantes artificiais, corantes, acidulantes, conservantes (a lista é grande) entre outros, e quando consumidos em grandes quantidades é como nosso organismo ficasse saturado de tal substância e não reconhecesse o excesso do mesmo.
Há ainda outros fatores que aumentam o caráter tóxico do nosso organismo: jejum, dieta de baixa caloria e qualidade nutricional, dieta pobre em proteínas, deficiência de vitaminas e minerais, dietas ricas em carboidratos e gorduras saturadas, cigarro, álcool, alimentos ricos em adoçantes (principamente artificiais) e intoxicação por metais tóxicos (é mais comum do que imaginamos!).
Mas, como saber se estamos afetados por toxinas? Preste atenção se você tem múltiplas hipersensibilidades, ansiedade, tonturas, déficit de memória, concentração ruim, fadiga excessiva, queda de cabelos, unhas fracas, celulite, colesterol alterado, dores de cabeça/enxaqueca, desordens tireoidianas, dificuldade para emagrecimento entre outros sintomas/doenças. Importante: consulte sempre um profissional capacitado para ter certeza e avaliar a origem do seu problema.
De fato, para a detox ser eficiente, não é tão simples assim.  A verdadeira detoxificação abrange 3 períodos onde vários grupos alimentares são eliminados e outros priorizados: glúten, leites e derivados, açúcar, café, qualquer alimentos processado, carnes vermelhas e em determinado período até oleaginosas, peixes e ovos. Esse processo deve ser de no mínimo 21 e no máximo de 30 dias.
No nosso organismo, o processo de detoxificação compreende em duas etapas (todas dependentes de nutrientes essenciais): fase I (biotransformação ou bioativação) e fase II (conjugação). Os nutrientes utilizados vão de vitaminas, minerais e antioxidantes, a probióticos,  aminoácidos (glicina, cisteína, glutamina...) e alguns fitoterápicos (como a silimarina, dente-de-leão e alcachofra) para que as duas fases descritas anteriormente recebam todo o aporte nutricional suficiente para ser realizadas pelo seu organismo com sucesso.
 Acredito que nesse momento você deve estar se perguntando: o que comer? Não se preocupe, pois durante o processo de limpeza (“roto-ruter”) e eliminação de toxinas, precisamos priorizar o consumo de vegetais (principalmente orgânicos), recorrer aos leites de arroz, de quinua ou castanha, cereais integrais, azeite, frutas e suco de frutas, chás, ervas entre outros. A criatividade é um fator fundamental nesse momento, pois há criação de muitas possibilidades com esses alimento. Já passei por uma detox esse ano, posso falar com propriedade: foi ótimo!  E como valeu a pena!
Aliado a todo esse processo, para aumentar a capacidade de desintoxicação do nosso organismo e promover saúde e emagrecimento saudáveis e efetivos, é necessário também  praticar atividades físicas (sempre com supervisão de profissionais capacitados e autorização médica), drenagem linfática, diminuir a ingestão de medicamentos sem prescrição médica e consumir alimentos (de preferência orgânicos) que aumentem a capacidade de detoxificação do nosso organismo:  couve, vegetais verdes escuros, limão, romã, alecrim, própolis, cúrcuma, frutas, chá verde. Não podemos esquecer da água, ok? Sem ela, todo esforço será em vão.
Adicione esses alimentos diariamente e siga as dicas acima diminuindo a ingestão de susbstâncias químicas e verifique como seu organismo funcionará melhor. Sempre que possível, priorize os alimentos orgânicos e consuma suco de limão com hortelã, arroz integral com cúrcuma, salada de grãos com couve regado ao azeite extra virgem, chá de ervas...
Seu sistema de detoxificação (e seu organismo) sempre funcionarão a todo vapor! Sem contar que as doenças passarão bem longe de você...
Muita saúde a todos!




Uma vida saudável pede uma alimentação equilibrada. O difícil é consumir alimentos saudáveis todos os dias e abrir mão da feijoada, da lasanha e do churrasco do fim de semana. Para ajudar a equilibrar as refeições, apontar os alimentos que vão compor a lista de compras e até organizar adequadamente a geladeira, existem profissionais capacitados para tais funções. São os personal dieters. Trata-se de um nutricionista que vai até a casa do cliente, auxilia nas compras de alimentos, ajuda a compreender o rótulo dos produtos e não deixa cair em tentação.

A nutricionista Carolina Morais trabalha com a dieta desintoxicação, ou dieta detox, há pouco mais de três anos. “A detox é basicamente uma dieta que auxilia na eliminação das toxinas que atrapalham o bom funcionamento do nosso metabolismo. Através de uma alimentação e suplementação, além de outras orientações. Tudo levando em consideração a individualidade bioquímica de cada um”, explica.

Elaborada de acordo com a necessidade de cada pessoa, a dieta detox ajuda a alcançar os resultados desejados mais rápido. "Cada pessoa tem um organismo diferente e precisa de cuidados diferentes. Inicialmente é realizada uma consulta para saber quais procedimentos deverão ser tomados e que tipo de alimentos serão cortados aos poucos do cardápio daquela pessoa", garante.

Para auxiliar aquelas pessoas que não sabem quais alimentos levar para casa ou como prepará-los, Carolina teve a ideia do detox delivery. Assim, é ela quem vai até o paciente. Além de orientar o paciente, a nutricionista ajuda na mudança de hábitos alimentares de toda a família. “A gente faz um trabalho geral. Damos orientações até para a cozinheira da casa. Explicamos qual é a melhor foram de preparar cada alimento do novo cardápio e qual é o jeito mais adequado de guardá-lo”, afirma Carolina.

Cotidiano

Uma das grandes dificuldades para quem está de dieta, ou cuidando da alimentação para uma vida mais saudável, é manter a vida social. Carolina Morais explica que a dieta detox muda cerca de 90% do hábito alimentar do paciente. Os outros 10% são compostos por aquilo que a pessoa gosta e não consegue abrir mão. “Eu penso na vida social dos meus pacientes. Elaboro dietas para que eles não tenham que abrir mão de uma festa por causa da comida que será servida”, diz. A nutricionista destaca que a quantidade dos alimentos é regulada de acordo com a necessidade de cada pessoa, já que, segundo explica, nem toda dieta é para perder peso.

Idéia aprovada

Algumas pessoas se adaptam facilmente aos novos hábitos alimentares, mas existem aquelas que precisam de ajuda durante meses. No caso da jornalista e empresária Andrea Regis, de 34 anos, não foi difícil entrar para o grupo de pessoas mais saudáveis. “Eu sempre fui muito natureba, mas não sabia bem o que comer e nem a quantidade. Não foi difícil abrir mão de certos tipos de comida. Com a ajuda de um profissional é ainda mais simples”, declara.

Sobre o resultado da nova rotina, a jornalista afirma que se sentiu muito mais disposta comendo alimentos sugeridos pela nutricionista Carolina Morais e na quantidade e hora certa, além de outros benefícios. “Me sinto com mais energia, sem falar que a pele ficou muito mais bonita. A dieta detox também ajuda a melhorar a aparência de celulites”, finaliza.

Valores

Os benefícios são muitos. É maravilhoso saber que existe a possibilidade de receber orientações de uma nutricionista no conforto do próprio lar. De acordo com Carolina Morais, um dia de treinamento em casa custa, em média, R$ 700. Pode parecer caro, mas quem fez o tratamento garante que vale o investimento.

Fonte: http://www.aredacao.com.br/vida.php?noticias=5907


PS: A Dra. Carol Morais tem um blog muito interessante, no qual escreve sobre dieta, dicas nutricionais e de restaurantes, alimentos orgânicos, tudo de uma forma bem descontraída. Ela é uma das nutricionistas da Clínica de Ecologia Médica e nutricional. Para saber mais sobre o serviço de Dexto delivery acesse: http://www.falecomanutricionista.com.br/



Toxinas ambientais e suas influências na saúde humana - Texto publicado pela Dra. Renata Carnaúba no blog da VP: http://www.vponline.com.br/frame_eventos_diversos.php
Diariamente, entramos em contato com cerca de 60 mil compostos tóxicos. Nestes, podemos incluir medicamentos, metais tóxicos, aditivos alimentares, agrotóxicos, poluentes do ar, migrantes de embalagem e outros (1), conhecidos também como xenobióticos.

Sempre que o nosso organismo entra em contato com alguma toxina, inicia-se um processo de destoxificação, que visa a eliminação dessa substância; seja em nível celular ou orgânico. A destoxificação ocorre em todas as células, mas principalmente nas do fígado e do intestino(1).

As reações de destoxificação dão-se por um processo dividido em três fases. As reações de Fase I, também chamada de biotransformação ou bioativação, são realizadas por várias enzimas, e entre elas podemos citar o citocromo P450, que é o principal sistema enzimático responsável por este processo(2). Quando a toxina é biotransformada ela está na verdade sendo preparada para a reação de conjugação, conhecida também como fase II. As reações de fase II têm os objetivos de transformar as toxinas em moléculas passíveis de excreção e hidrossolúveis, além neutralizar sua possível reatividade (1). Após terem sido metabolizadas nas fases I e II, a ex-toxina, agora um metabólito excretável, será transportada para a circulação. Esta ação é realizada pela P-glicoproteína (Pgp), que transporta o metabólito para sua eliminação, seja nas vias biliares, tecido renal ou ainda no intestino, também chamada de fase III (3,4).

Existem muitas evidências que nos permitem afirmar que a nutrição influencia de forma determinante em como destoxificamos (1). Para a síntese do complexo enzimático P450, por exemplo, vários nutrientes são importantes, como ferro, cobre, zinco e vitamina B12 (5). Além desses, uma série de fitoquímicos presentes nos alimentos modulam reações do citocromo P450 e de conjugação (1).

A ingestão dietética de frutas e verduras é muito importante para esse processo, pois estes alimentos contém vitaminas, minerais, aminoácidos e fitonutrientes, que são cofatores necessários para as reações de fases 1 e 2, protegendo também contra o estresse oxidativo, inflamação e lesão mitocondrial induzida pelas toxinas. Especula-se que a composição desses alimentos seja, ao menos parcialmente, responsável por esses efeitos benéficos (5,6).

Dentre os alimentos mais eficazes para ajudar a destoxificação podemos citar as Brássicas, que inibem enzimas de fase I e aceleram enzimas de fase II, que determinam a destoxificação de compostos potencialmente tóxicos (7,8); a toranja (grapefruit), que possui a capacidade de modular as reações de fase I e II por meio da ação enzimática (9); o cúrcuma, que acelera enzimas de fase 2 e também possui capacidade de aumentar a atividade de reparo de DNA contra danos induzidos pelo arsênico (10); o chá verde, que estimula as reações de fase I e II através da ação enzimática, podendo aumentar em até 30 vezes uma das principais enzimas da reação de fase II; entre outros.

A toxicidade de diversos agentes tóxicos em seres humanos tem sido amplamente investigada, sendo relatado o aumento da incidência de disfunções do sistema endócrino de seres humanos. Estudos têm sugerido que a exposição a essas substâncias provoque possíveis alterações na saúde humana envolvendo o sistema reprodutivo, como câncer de mama e de testículo, endometriose e infertilidade, entre outros; além de distúrbios de comportamento e doenças auto-imunes (11,12).

Tais substâncias são chamadas de interferentes endócrinos. Interferente endócrino pode ser definido como substância química exógena, natural ou sintética que, mesmo presente em concentrações extremamente baixas, tem o potencial de causar efeitos adversos na saúde por interferir no funcionamento natural do sistema endócrino podendo causar câncer, prejudicar o sistema reprodutivo, entre outros (13,14). Embora banidas, muitas dessas substâncias ainda permanecem e permanecerão por muito tempo na natureza devido a sua alta estabilidade (14).

Existem diversas formas de contaminação por meio da cadeia alimentar em humanos. Exemplo disso são os agrotóxicos, migrantes de embalagens e contaminantes presentes em produtos de origem animal.

Os alimentos de origem animal geralmente são contaminados na fase da criação desses animais, em que é comum o uso de agentes anabolizantes nas rações, e que acabam sendo encontrados nos produtos derivados consumidos em quantidades permitidas pela legislação, desde que respeitadas as doses indicadas e o período de aplicação (1,11).

Embalagens plásticas podem conter constituintes inorgânicos os quais podem migrar para o alimento (15), apesar de ser uma migração pequena, a detecção dos efeitos biológicos na exposição em curto prazo não é possível de ser avaliada, entretanto, após longos períodos de ingestão, manifestações tóxicas sutis e de difícil detecção poderão ocorrer (1).

O rápido aumento de compostos químicos no ambiente coincide com o aumento da epidemiologia da obesidade nos últimos 40 anos. Além disso, evidências científicas sugerem que a exposição a certas toxinas que mimetizam a ação dos hormônios pode contribuir para o aumento da obesidade em humanos e modelos animais (16).

Tem sido mostrado que poluentes ambientais como POPs, pesticidas e bifenilas policlorinadas (PCBs) acumulam no tecido adiposo após a exposição. Foi evidenciada também que a exposição ao Bisfenol A (BPA) afeta o transporte de glicose no tecido adiposo e altera a funcionalidade endócrina dos adipócitos, sendo que em doses ambientalmente relevantes inibem a liberação de uma adipocitocina chave protetora contra a síndrome metabólica (16,17).
Evidências patológicas e laboratoriais sugerem que o arsênico, mercúrio, chumbo, POPs e possivelmente BPA, interagem com o funcionamento das células pancreáticas Langerhans, afetando consequentemente a produção de insulina (18). A exposição oral a baixas doses de mercúrio através de amálgamas dentárias, do consumo de peixes e vacinas, diminui os níveis plasmáticos de insulina e eleva assim a glicemia e a intolerância à glicose, além de aumentar o estresse oxidativo, induzir citocinas inflamatórias e promover lesão mitocondrial (6,18).

A determinação de uma quantidade de ingestão segura dessas substâncias não significa que sejam inócuas, e sim, que com os avanços tecnológicos tornou-se possível a não identificação de alterações significantes na saúde nos animais em que foram realizados os testes. Tem-se ainda que considerar as interações múltiplas entre os diferentes compostos tóxicos, que só ocorrerão dentro do organismo de cada um e serão metabolizados de forma única (1).

A maneira mais segura para a saúde seria a redução do consumo dessas substâncias, reduzindo o consumo de produtos industrializados e dando preferência aos alimentos orgânicos, que conferem maior proteção destoxificante, antioxidante e de fitonutrientes antiinflamatórios; reciclando e reutilizando materiais cuja decomposição no meio ambiente é lenta e fonte de liberação dos tais poluentes (11,16).


Autor: Renata Alves Carnauba - Departamento Científico da VP Consultoria Nutricional e Andréia Naves - diretora da VP Consultoria Nutricional

Fonte: http://www.vponline.com.br/frame_eventos_diversos.php

Referência Bibliográfica:

1- PASCHOAL, V.; NAVES, A.; FONSECA, A.B.B.L. Nutrição Clínica Funcional: dos princípios à prática clínica. 1 ed. São Paulo: VP editora, 2008.
2- KROHN, J,; TAYLOR, F.A.; PROSSER, J. The whole way to natural detoxification. Vancouver: Hartley & Marks Publishers, 1996.
3- CAMPOS, S. P-Glicoproteína. Disponível em: Acesso em: 17/05/2010.
4-JONES, D. Textbook of functional medicine. Florida: The Institute for Functional Medicine, 2006.
5- OGA, S. Fundamentos de toxicologia. 2ª ed. São Paulo: Atheneu, 2003.
6- HYMAN, M. A. Environmental toxins, obesity, and diabetes: an emerging risk factor. Altern Ther Health Med.; 16(2):56-58, 2010.
7- DEKKER, M.; MCNEILL, J.; BARRIE, F.R. et al. International code of botanical nomenclature (Saint Louis Code). Germany: Koeltz Scientific Book, 2000.
8- STEINKELLNER, H.; RABOT, S.; FREYWALD, C. et al. Effects os cruciferous vegetables and their constituents on drug metabolizing enzymes involved in the bioactivation of DNA-reactive dietary carcinogens. Mut Res; 480-481:285-297, 2001.
9- HAHN-OBERCYGER, M.; STARK, A.H.; MADAR, Z. Grapefruit and oroblanco enhance hepatic detoxification enzymes in rats: possible role in protection against chemical carcinogenesis. J Agric Food Chem;53(5):1828-32, 2005.
10- MUKHERJEE, S.; ROY, M.; DEY, S. et al. A Mechanistic Approach for Modulation of Arsenic Toxicity in Human Lymphocytes by Curcumin, an Active Constituent of Medicinal Herb Curcuma longa Linn. J Clin Biochem Nutr; 41(1):32-42, 2007.
11- FONTENELE, E.G.P.; MARTINS, M.R.A.; QUIDUTE, A.R.P.et al. Contaminantes ambientais e interferentes endócrinos. Arq Bras Endocrinol Metab.;54(1):6-16, 2010. 12- GHISELLI, Gislaine; JARDIM, Wilson F. Interferentes endócrinos no ambiente. Quím. Nova, São Paulo, v. 30, n. 3, June 2007.
13- LAHOUEL, M. et al. Effet protecteur des flavonoïdes contre la toxicité de la vinblastine, du cyclophosphamide et du paracétamol par inhibition de la peroxydation lipidique et augmentation du glutathione hépatique. Pathologie Biologie; 52 (6):314-322, 2004.
14- ALVES, Crésio et al . Exposição ambiental a interferentes endócrinos com atividade estrogênica e sua associação com distúrbios puberais em crianças. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, n. 5, May 2007.
15- SOARES, P.E.; SAIKI, M.; WIEBECK, H. Avaliação da migração de elementos de embalagens plásticas de alimentos para soluções simulantes pelo método radiométrico. INAC; 2005.
16- NAVES, A. Nutrição Clínica Funcional: Obesidade. 1ª ed. São Paulo: VP editora, 2009.
17- LATINI, G.; GALLO, F.; LUGHETTI, L. Toxic environment and obesity pandemia: Is there a relationship? Italian Journal of Pediatrics; 36:8, 2010.
18- SHARP, D. Environmental toxins, a potential risk factor for diabetes among Canadian Aboriginals. Int J Circumpolar Health; 68(4):316–326, 2009.

Excesso de ácido úrico pode causar gota, pedra no rim e hipertensão

http://g1.globo.com/
Excesso de ácido úrico pode causar gota, pedra no rim e hipertensão: Alimentação rica em proteínas aumenta chances de acúmulo de substância.
Ao se cristalizar, composto também dá artrite e problemas cardiovasculares.

Asma mata?

http://blogdalergia.blogspot.com/
Asma mata?:
Muitas pessoas têm asma no Brasil - calcula-se que cerca de 10% da população brasileira tenha a doença, entre crianças e adultos, o que significa um número em torno de 19 milhões de brasileiros. Mesmo assim, é ainda hoje, pouco conhecida pelo público, sendo chamada por nomes diversos como: bronquite asmática, bronquite alérgica ou simplesmente bronquite. 


A asma é responsável por faltas ao trabalho e à escola, dificuldade nas atividades diárias, prejuízo do sono e descanso de milhões de brasileiros, atendimentos de emergência, internações hospitalares, entre outros distúrbios. E, até hoje, a despeito dos enormes avanços científicos em seu tratamento ainda causa mortes Em 2009, foram 2.544, de acordo com dados do Ministério da Saúde.   


Na semana passada foram noticiados dois casos de morte por asma, sendo um em Brasília, numa criança de 13 anos e o outro, na Síria, num correspondente do Jornal New York Times, aos 43 anos de idade. Duas pessoas jovens, com acesso ao tratamento sucumbiram à doença. Motivos? Não cabe aqui discutir mas sim chamar a atenção para a importância do esclarecimento à população, dos fatores que devem ser combatidos, do esclarecimento de mitos e preconceitos que impedem o tratamento. 


A constatação é clara: poucos pacientes com asma seguem o tratamento corretamente. A maior dificuldade está no fato de que a asma é uma doença silenciosa, que permanece mesmo quando não se está em crise, mesmo quando a pessoa não sente nada. Assim, os remédios para controle da doença devem ser usados todos os dias, com ou sem crise, mas poucos seguem estas recomendações médicas. 


Mas, da mesma forma que cada pessoa é única, a doença também não é padronizada, manifestando-se de forma única em cada paciente. Por isso, exige uma avaliação personalizada de cada caso, dos fatores agravantes, dos fatores ambientais e pessoais envolvidos, bem como da escolha do tratamento em cada pessoa, seja um bebê, uma criança, adolescente, gestante ou idoso. 


Estas tristes notícias servem como alerta para a necessidade da educação e orientação sobre a asma à população brasileira. Nesta luta, o médico não pode ficar só: é preciso somar esforços de toda a sociedade, profissionais de saúde, associações de pacientes, organizações não governamentais, familiares, legisladores, governo, empresas, etc. 


Esperamos num futuro próximo que estas notícias sejam substituídas por outras, mostrando pessoas vencedoras em seus âmbitos de ação a despeito da asma. O sucesso dos programas de tratamento é um fato comprovado e todos ganham: os pacientes, pela reconquista de sua qualidade de vida e os gestores, por menores custos requeridos para controle comparados aos custos do mero atendimento ao resgate de crises.


Leiam o texto na íntegra, publicado na Folha de S Paulo, com a participação do Presidente da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI), Dr João Negreiros Tebyriçá. 

Twitter tem 500 milhões de usuários, afirma site

http://portal.aprendiz.uol.com.br/
Twitter tem 500 milhões de usuários, afirma site:

O Twitter bateu anteontem a marca de 500 milhões de usuários registrados, segundo o Twopcharts, site especializado em análise de dados do microblog. O Twitter não confirmou oficialmente a informação. No site oficial do serviço há apenas dois dados: 100 milhões de usuários ativos e 250 milhões de tuítes enviados por dia. De acordo com o Twopcharts, são registrados em média 13 novos perfis por segundo.


Veja Mais:

Twittaço é convocado pela aprovação do Estatuto da Juventude no Senado

“Escola do Futuro” ajuda a colocar os professores na rede

Smart Cities: o que podemos esperar das cidades do futuro?


(Folha.com)

OMEP Argentina convida para 5º Encontro Internacional de Educação Infantil: A Identidade Pedagógica da Educação Infantil

http://primeirainfancia.org.br/
OMEP Argentina convida para 5º Encontro Internacional de Educação Infantil: A Identidade Pedagógica da Educação Infantil: A OMEP Argentina convida para o 5º Encontro Internacional de Educação Infantil que realizará em Buenos Aires nos dias 11, 12 e 13 de maio, sobre A Identidade Pedagógica da Educação Infantil. Além da possibilidade de apresentar experiências, deverá ser … Continuar lendo

Escolas podem inscrever cartas para 41º concurso internacional

http://adaoblogado.blogspot.com/
Bacana isso!!
Escolas podem inscrever cartas para 41º concurso internacional: Estão abertas até 16 de março as inscrições para o 41º Concurso Internacional de 
Redação de Cartas, promovido pela União Postal Universal (UPU), entidade que reúne 
operadores postais de 191 países. As inscrições devem ser feitas apenas por escolas
 públicas ou particulares. Cada instituição pode inscrever duas redações. O resultado
 do concurso será divulgado no final de abril.

Desenvolver a habilidade de composição de jovens até 15 anos, fortalecer relações de 
amizade internacionais e aprimorar a comunicação por meio da escrita são as propostas
 do concurso, que este ano terá o tema Escreva uma Carta a um Atleta ou a uma Personalidade Esportiva que Admira para lhe Dizer o que Significam os Jogos Olímpicos para Você. 
O vencedor receberá o prêmio durante o 25º Congresso Postal Universal, previsto 
para setembro e outubro próximos, em Doha, Catar.

Para os concorrentes brasileiros, o texto deve ser elaborado em língua portuguesa,
 com no máximo 800 palavras, e ter relação estrita com o tema. A carta deve ser escrita
 com caneta esferográfica de tinta preta ou azul, preferencialmente no formulário de
 redação do concurso, disponível na página dos Correios na internet. Na mesma página
 estão as fichas de inscrição e o regulamento do concurso. 

Premiação — A realização do concurso no Brasil, sob a responsabilidade dos Correios,
 terá as fases escolar, estadual, nacional e internacional. Serão premiados os três
 primeiros colocados nas etapas estaduais, o primeiro da nacional e os três primeiros
 da internacional. Entre os prêmios estão TV (LED) de 32 polegadas, notebook,
impressora e som portátil. Em 2011, foram inscritas 5.563 redações por 4.365 escolas.

Integram a comissão julgadora nacional representantes dos Correios, dos ministérios
 das Comunicações e da Educação, da Universidade de Brasília (UnB) e da Organização
 das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco). O Brasil já venceu a fase
 internacional em três oportunidades — 1972 (primeira edição do concurso), 1988 e 2006.
 Só a China, com cinco medalhas de ouro, está à frente.

O que é o II Prêmio Experiência Educacionais Inclusivas - a escola aprendendo com as diferenças ?

http://adaoblogado.blogspot.com/
O que é o II Prêmio Experiência Educacionais Inclusivas - a escola aprendendo com as diferenças ?:
O II Prêmio Experiências Educacionais Inclusivas - a escola aprendendo com as diferenças tem como objetivo promover, difundir e valorizar experiências escolares inovadoras e efetivas de inclusão escolar de estudantes com deficiência, com transtornos globais do desenvolvimento e com altas habilidades/superdotação, realizadas por gestores, educadores, professores e estudantes.

Nessa segunda edição, serão premiados Relatos de Experiências das escolas públicas de educação básica e das secretarias de educação; e, Textos Narrativos produzidos por estudantes dos anos finais do ensino fundamental e do ensino médio, matriculados nas escolas públicas brasileiras. Será, também, concedida Menção Honrosa à experiência inclusiva de educação infantil que se destacar.




Calendário

Encerramento das Inscrições
16 de março de 2012
http://peei.mec.gov.br/

Olimpíada de Língua Portuguesa

http://adaoblogado.blogspot.com/
Olimpíada de Língua Portuguesa:
Paraalém de um concurso, a Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futurose traduz em uma proposta de formação docente, desenvolvendo-se por meio de açõesvalorosas e um rico material que orientam a prática pedagógica considerando aimportância do trabalho com os gêneros textuais – que se encontram nas esferasdiscursivas da vida social – por levar em conta os diferentes domínios sociaisde comunicação envolvidos na produção e compreensão dos textos orais eescritos.
Como tema “O lugar onde eu vivo”, a dinâmica da Olimpíada, além de favorecer aampliação e o aprimoramento das habilidades de leitura e escrita, favorece oconhecimento e a valorização da história e da cultura locais; estreita os vínculosde nossos alunos e alunas com o “seu lugar” – possibilitando-lhes um novo olharacerca da realidade e, a partir daí, a perspectiva de transformação.
AOlimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro contempla o trabalhocom os seguintes gêneros textuais:
1-  POEMA– 5º e 6º anos do Ensino Fundamental
2-  MEMÓRIASLITERÁRIAS – 7º e 8º anos do Ensino Fundamental
3-  CRÔNICA– 9º ano do Ensino Fundamental e 1º ano do Ensino Médio
4-  ARTIGODE OPINIÃO – 1º e 2º anos do Ensino Médio

   É importante registrar...
§ Paraa 3ª edição da Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro foi enviada àsescolas públicas brasileiras – que atendem um ou mais anos escolares entre o 5ºano do Ensino Fundamental e o 3º ano do Ensino Médio – uma coleção com quatropastas. Em cada uma delas há material que visa colaborar com o professor noensino da leitura e da escrita em um gênero textual, quais sejam:
-1 caderno do professor,
-10 exemplares idênticos da Coletânea de textos e 1 CD-ROM.

§ Estacoleção poderá ser utilizada não apenas na preparação para a Olimpíada, mascomo mais um instrumento que visa auxiliar o trabalho docente em relação aosconteúdos de Língua Portuguesa que precisam ser ensinados durante o ano letivo.
 
§ Aose inscrever o professor passará a integrar a rede Escrevendo o Futuro ea receber gratuitamente a revista Na Ponta do Lápis – uma publicaçãoperiódica com artigos, entrevistas, análise de textos e relatos de práticadocente. 

Estejaatento ao início das inscrições acessando WWW.escrevendo.cenpec.org.br.Em breve enviaremos a senha para que possa ser efetuada.

Reunião de Pais

http://sillovinho.blogspot.com/
Reunião de Pais:
8 Razões para participar da Reunião de Pais

É preciso cuidar com afinco da Educação do seu filho. E ser um freqüentador assíduo das reuniões escolares é um excelente começo.

A reunião de pais e mestres não é um mero evento protocolar, que a escola organiza com o objetivo de dar algumas satisfações aos pais. “O objetivo das reuniões é compartilhar interesses e missões tendo em vista os benefícios para o aluno.

Compartilhar é mesmo a palavra quando se fala nessas reuniões. Afinal, a relação entre a escola e os pais deve ser de parceria,as reuniões têm um grande poder de aproximar famílias e escolas. “Os pais recebem orientações, esclarecem dúvidas e, assim, estabelecem uma relação de confiança e cooperação com os professores.”

Do ponto de vista social, estar presente nas reuniões também traz benefícios aos pais e, conseqüentemente, ao aluno, pois a troca de vivências é grande. “É importante que os pais dos alunos se conheçam e troquem experiências".


1) Conhecer a escola a fundo

Na reunião de pais e mestres, tem-se a oportunidade de aprofundar os conhecimentos sobre a proposta pedagógica e a metodologia de ensino da escola onde seu filho estuda. Mesmo que você já tenha refletido sobre esses aspectos no momento da escolha da escola, é interessante se atualizar de tempos e tempos e repensar, nessas ocasiões, se aqueles ideais apresentados pela escola são mesmo compatíveis com os de sua família.

2) Acompanhar o aprendizado

Ponto alto nas reuniões, o processo de aprendizado das crianças costuma ser discutido para que os pais possam acompanhar o desenvolvimento de seus filhos, ou, no mínimo, ter referências sobre a fase da criança (“Ela já devia estar lendo?”, “E escrevendo?”).

É também um momento propício para tirar dúvidas que surgem no ambiente doméstico, principalmente sobre as tarefas que são solicitadas aos alunos. “Posso ajudar meu filho no dever de casa?”, “Por que é importante que ele faça todas as tarefas?”,É fundamental que pais e professores sintonizem suas cobranças e seus discursos. “Isso evita que a criança tenha conflitos”.

3) Esclarecer dúvidas de interesse geral

O calendário anual, as excursões e as viagens e os materiais solicitados ao longo do ano também são assunto nos encontros. “A reunião de pais e mestres não visa o individual, mas sim o coletivo”,para que o encontro se torne mais proveitoso, é interessante que os pais levem questões que poderão ser abordadas naquele momento, beneficiando a todos.

“O pai que sente que o filho tem alguma dificuldade ou particularidade que mereça ser discutida deve fazer isso em um horário reservado”,

4) Conhecer seu filho sob outros pontos de vista

O comportamento de seu filho pode ser assunto na reunião de pais e é importante ficar atento a essas observações, já que a postura da criança pode definir o seu aprendizado e, claro, sua maneira de se relacionar com os professores e coleguinhas. É importante lembrar que nem sempre o comportamento da criança é o mesmo na escola e em casa, o que, muitas vezes, pode gerar diferentes impressões sobre ela (em casa, ela é extrovertida e falante, mas na escola tende a se fechar e a apresentar timidez; ou é irrequieta na escola, desobediente, enquanto no ambiente doméstico não apresenta tais sinais). Se os pais reconhecem essas diferenças, podem também buscar entender por que elas acontecem (falta de interesse na aula? Insegurança? Baixa autoestima? Distúrbio de atenção? Agitação demais?). Ou seja: conversando com os professores e outros pais, é possível perceber como o filho é visto pelas pessoas que o cercam e, assim, tentar ajudá-lo.

5) Firmar parceria com a escola

Existe hoje uma confusão acerca dos limites pedagógicos e educacionais. Por um lado, a escola acha que os pais estão delegando obrigações demais para a instituição (ensinar, educar, formar caráter); por outro, os pais reclamam que a escola não cumpre seu papel como deveria. O que muitos não percebem é que a relação deve ser de parceria e de cumplicidade, e as reuniões de pais e mestres têm a função de mostrar que isso é possível, chamando os pais para participarem e dividirem responsabilidades, lembrando que a formação em casa complementa a da escola e vice-versa. É função dos pais dar bons exemplos, estimular a criança a ler, mostrar a importância de ela cumprir com seus compromissos, entre muitas outras.

“Os professores devem aproveitar as reuniões para explicar às famílias como elas podem estimular as crianças, ajudá-las nas pesquisas, com o dever de casa, mas sem, é claro, assumir completamente essas tarefas” Trabalhar em parceria – com cada um desempenhando o seu papel – é, ainda, essencial para a criança se sentir amparada e assistida.
6) Entender as crises da idade


Infância, pré-adolescência, adolescência... As fases do crescimento são muitas e cada uma possui suas particularidades. A escola e os pais precisam estar preparados para lidar com as questões que certamente irão surgir, enfrentando-as com naturalidade e respeito. Nas reuniões, pode ser discutido: o que é típico dessa faixa etária? Como agimos? Um exemplo: deve-se permitir ou não o namoro nas dependências da escola? São questionamentos que podem ser levados para esses encontros, com contribuições para a escola e as famílias em geral.

7) Conhecer para poder ajudar

Muitas escolas, percebendo a dificuldade das famílias para lidarem com certos comportamentos dos filhos típicos da idade, aproveitam as reuniões de pais para promover palestras esclarecedoras. Com isso, a presença nesses eventos se torna ainda mais imprescindível. Quando se tem conhecimento, se consegue ajudar de forma mais eficiente. Uma palestra bastante ministrada nas escolas é sobre sexualidade. A intenção é mostrar para as famílias o quanto é fundamental tratar o tema com naturalidade, procurando sempre conversar com os filhos e manter uma relação de proximidade, amizade e cumplicidade. “A escola é um espaço capaz de abrir esses canais de debate e entendimento”.

8) Mais confiança para todos

Participar das reuniões de pais e mestres é muito importante para aproximar família e escola. E estas têm de se respeitar mutuamente. Se os pais criam uma relação de competitividade com a escola, alimentando o costume de falar mal dos professores, da organização do local e das mensalidades, por exemplo, é possível que a criança também passe a desrespeitar a instituição, o que pode prejudicar seu desenvolvimento escolar. A proximidade e a confiança entre escola e família, quando transmitidas aos alunos, fazem com que eles se sintam mais seguros, aprendam mais e se relacionem melhor.





































Índice de mortalidade materna de 2011 pode ser o menor dos últimos dez anos

http://www.estadao.com.br/
Índice de mortalidade materna de 2011 pode ser o menor dos últimos dez anos: No primeiro semestre do ano passado, foram registradas 705 mortes maternas, ante 870 no mesmo período de 2010, uma redução de 19%, segundo dados divulgados nesta quinta, 23, pelo Ministério da Saúde. O cálculo de todo o ano de 2011 ainda está em fase de conclusão. O governo federal prevê para 2011


Tecnologia em sala de aula

http://www.blogeducacao.org.br/
Tecnologia em sala de aula

Autoridades participam da inauguração da Escola Municipal Costa do Marfim

http://bairroeducador.blogspot.com/
Autoridades participam da inauguração da Escola Municipal Costa do Marfim:

Após um ano e dois meses funcionando em outro espaço, a equipe da Escola Municipal Costa do Marfim e a Comunidade do Jardim Batan de Realengo receberam na manhã do dia 15 de fevereiro as novas instalações da instituição, que contou com um investimento de R$ 6 milhões.

A Cerimônia contou com a presença do Governador Sérgio Cabral, do Vice-governador Luiz Fernando Pezão, do Prefeito Eduardo Paes, da subsecretária de ensino da Secretaria Municipal de Educação (SME), Helena Bomeny, do Comandante da 3ª UPP, Capitão Marcelo Martins, além de outros.



Além das autoridades públicas, da comunidade e dos representantes da sociedade civil do Jardim Batan, também estiveram presentes no evento integrantes da Estrelinha, escola de passistas mirins da Mocidade Independente de Padre Miguel. A Rainha da bateria mirim da escola de samba promoveu um show para os presentes, enfatizando o dia da festividade.


O prédio, construído pela RioUrbe, possui três andares, com sete salas de Ensino Fundamental e duas de Educação Infantil, sala de artes, sala de informática, auditório, refeitório, biblioteca, quadra poliesportiva, vestiário, parquinho e estacionamento.




Segundo a subsecretária de ensino da SME, Helena Bomeny a construção da nova unidade de ensino foi uma reivindicação da comunidade à Prefeitura do Rio de Janeiro. Helena aproveitou também para agradecer a presença e o apoio do Bairro Educador à Educação.

Todos, da Equipe do Bairro Educador, sentem-se felizes por mais um avanço da qualidade de ensino e honrados em fazer parte deste movimento.
Por Carmen Rosane

Obesidade

http://drauziovarella.com.br/
Obesidade:

A obesidade é um dos problemas mais importantes que a Saúde Pública enfrenta hoje no Brasil e em outros países do mundo. A Organização Mundial de Saúde (OMS) considera que, atualmente. nos países desenvolvidos, ela seja o principal problema de saúde a enfrentar.


Por que as pessoas estão engordando tanto? De onde vem esse desespero pela comida e a dificuldade para perder peso? A resposta, por certo, poderá ser encontrada nas raízes evolucionistas do homem. Há 50 mil anos, nossos antepassados tinham grande dificuldade para conseguir alimentos. A possibilidade de estocá-los é contemporânea ao advento da agricultura há dez mil anos, um segundo em termos evolucionistas. Essa carência alimentar moldou o cérebro humano de tal maneira, que ele busca obter o máximo de calorias possível para mobilizar energia acumulando-a sob a forma de gordura que, teoricamente, será usada nos períodos de fome provocados pela escassez de comida.


Entretanto, no mundo moderno, a realidade é bem diferente. A geladeira pode conservar alimentos variados por dias e semanas. Basta abri-la para saboreá-los. A propaganda nos incita a comer produtos altamente calóricos por preço razoável. Basta uma ligação telefônica para temos comida de diversos tipos e nacionalidades entregue, em poucos minutos, na porta das nossas casas.


Nosso cérebro condicionado em tempos de penúria agora encontra fartura e o mecanismo evolucionista que selecionou pessoas capazes de acumular gordura, decisão inteligente no passado, se volta contra elas. Reverter esse processo é tarefa árdua e muitas vezes inglória. No entanto, é preciso estar alerta. O excesso de peso está associado a uma série de doenças que comprometem a qualidade e a duração da vida.


DESEQUILÍBRIO ENTRE INGESTÃO E QUEIMA DE CALORIAS


Drauzio – Você, que tem grande vivência clínica e enfrentou pessoalmente o problema da obesidade, como enxerga a dificuldade de tantas pessoas para perder peso?


Bernardo Leo Wajchenberg – O homem moderno está pagando as contas pela facilidade de conseguir alimentos. Além disso, a tendência ao consumo do fast-food representa sério empecilho para resolver o problema. Na hora do almoço, em vez de sentar-se e comer arroz com feijão e salada como se fazia antigamente, a pessoa aproxima-se dos balcões das lanchonetes e se contenta com um hambúrguer e um milk-shake, alimentos de alto valor calórico que provocam sensação de saciedade. A gordura tem essa vantagem: comê-la garante sensação de bem-estar, de estômago cheio. Por outro lado, a vida moderna está marcada pela falta de atividade física e não há o gasto calórico suficiente. Ninguém anda mais. Todos se valem do transporte coletivo ou, o que é pior, do individual. Portanto, estamos comendo mais e gastando menos. Do ponto de vista termodinâmico, estamos armazenando calorias. É bem verdade que existem indivíduos, infelizmente a minoria, que comem muito e gastam muito também. A regra, porém, não é essa.


Já se procurou, por muitos anos, uma causa metabólica primária para a obesidade. Existem as formas ditas genéticas que são extremamente raras, raríssimas. Até hoje, encontrei apenas um indivíduo de cabelos vermelhos obeso (os ruivos podem ter um defeito na produção de melanocortina), mas esse achado tem valor apenas para o estudo da fisiopatologia da obesidade.


Então, a experiência que tenho é muito ruim. Eu e todo o mundo. O que costumo sugerir para os obesos é uma alimentação razoável, porque dietas muito restritivas não têm mais cabimento nos nossos dias. O indivíduo não deve perder muito peso. Em torno de 7kg a 10kg no prazo de alguns meses melhora as complicações que a obesidade traz consigo.


O problema é tão sério que o número de cirurgias da obesidade, ou bariáticas, aumenta a cada dia. Para muitos obesos mórbidos não existe outra solução apesar de estarmos substituindo uma doença por outra.


O procedimento cirúrgico mais frequente em nosso meio é a cirurgia de Capela em que se reduz o volume do estômago. Não se consegue interferir, porém, na vontade de comer. O paciente para de comer porque se o fizer vomita, não aguenta o mal-estar. Conheço um indivíduo que passou a tomar leite condensado, alimento de alto valor calórico, como se sabe, mas que é aceito pelo estômago cuja capacidade ficou reduzida a 20cm³ aproximadamente.


TENDÊNCIA AO SEDENTARISMO


Drauzio – Em geral, os obesos são vistos como pessoas desavergonhadas, de caráter fraco, o que injusto.


Bernardo Leo Wajchenberg – Isso é um absurdo. É inconcebível tal julgamento. Ninguém quer ser gordo. Eu, que sou um semigordo e fui um grande obeso tinha vergonha da minha condição e não ia à praia nem ao clube. O problema da obesidade está relacionado com o ambiente familiar, a genética e o sedentarismo. Decorre, em parte, como consequência da vida moderna e da falta de ensinamentos sobre a necessidade de praticar esportes. Só os adolescentes o fazem. A regra é que com o passar dos anos o indivíduo se mexa menos e coma mais. O rapaz se casa, por exemplo, as responsabilidades aumentam, ele come mais e engorda. Quando estudei nos Estados Unidos, reparei que eram gordos os diretores da instituição. A arraia-miúda, o pessoal de baixo, era toda magra.


A obesidade de per si não é um mal, se o obeso não apresentar outros fatores de risco, como colesterol elevado, hipertensão, diabetes. Não me lembro de nenhum paciente meu, um grande obeso, que tenha ultrapassado os 50 anos. Todos morreram antes de complicações cardiovasculares, de fraturas seguidas de embolia pulmonar, etc.


Em alguns países, há grupos populacionais em que a obesidade é mais frequente. Nos Estados Unidos, por exemplo, os índios que vivem no Arizona constituem um caso típico. Eles eram pobres, trabalhavam no campo e eram magros. Quando foi descoberto petróleo em seu território, as companhias petrolíferas lhes compraram as terras, deram-lhes royalties e eles pararam de dedicar-se à agricultura familiar. Como consequência, a obesidade tornou-se prevalente entre eles.


Drauzio – Quanto mais pobre a pessoa, maior é a tendência para comer mais gordura e mais carboidrato?


Bernardo Leo Wajchenberg – O problema está na comida com alto valor calórico. Em países da Europa Ocidental e nos Estados Unidos, está caindo o número de obesos na classe A, ao passo que nas classes B e C esse número está subindo. Outra constatação triste é que o exercício físico não faz parte dos hábitos de vida dessa população. No meu ponto de vista, andar não ajuda a pessoa a perder peso. Já fiz um cálculo uma vez e cheguei à conclusão de que eu teria de caminhar 40km para perder um quilo. O exercício tem que ser aeróbico. Nas academias e clubes, só há jovens e umas poucas pessoas mais velhas que se acostumaram na juventude com a atividade física.


A obesidade é um problema muito sério e não há empenho por parte das autoridades governamentais para resolvê-lo de vez. Tenho uma triste opinião que compartilho com pesquisadores americanos a respeito desse assunto. Aos governos não interessa acabar com o problema. As indústrias envolvidas na fabricação de produtos para o controle da obesidade, as academias e outras instituições frequentadas por quem quer emagrecer rendem valores altos em impostos. Campanhas como “São Paulo, mexa-se!” são importantes, mas pouco eficientes e perdem para o apelo do interesse comercial.


TECIDO ADIPOSO: MAIOR GLÂNDULA ENDÓCRINA


Drauzio – Na época em que fui seu aluno na faculdade, o tecido adiposo era considerado um tecido inerte, mero depósito de células gordurosas que acumulavam energia para ser queimada num momento de necessidade. Esse conceito mudou completamente, não é mesmo?


Bernardo Leo Wajchenberg – Hoje está provado que o tecido adiposo é a maior glândula endócrina do organismo. Existem dezenas de hormônios produzidos por ele, hormônios ligados à hipertensão (angiotensinogênio) e ao apetite, como a lepitina, por exemplo. Quanto mais gordura, maior a produção desse hormônio que age no cérebro e faz diminuir o apetite. O obeso, porém, que tem muita lepitina, desenvolve resistência a ela. Se não fosse assim, ninguém seria gordo.


Drauzio – Quando a pessoa perde gordura, a lepitina cai. Nesse caso, o que acontece com a fome?  


Bernardo Leo Wajchenberg – A lepitina não tem muito a ver com a fome no grande obeso, como tem nos não obesos e nos animais experimentais. Por isso, é dificílimo tratar da obesidade. A experiência me mostra que deve ser dada uma orientação dietética aos pacientes. A dieta baseada em pontos atribuídos a cada alimento pode ajudar. Idealmente existe uma série de alimentos que devem ser evitados. Isso não quer dizer que nunca mais se possa comer pizza ou beber uma ou duas doses de uísque por semana, desde que alguma coisa de valor calórico equivalente seja retirada do cardápio daquele dia.


E aí fica evidente a necessidade do exercício físico, o verdadeiro nó da questão. O adulto de meia idade, a maioria em minha clínica, não faz. Já propus ir com eles para a academia, porque conheço as técnicas e posso orientá-los. Nenhum tem tempo. Nem mesmo depois de um infarto. No começo, adotam um programa de exercícios, mas logo voltam ao velho esquema sedentário.


No caso dos diabéticos, a obesidade é um fator de risco importante e reduzir o peso faz com que melhorem bastante. Eles conseguem perder peso por algum tempo, mas depois voltam a engordar. Manter o peso é um desafio muito complicado.


TRATAMENTO COM DROGAS CONTRA A OBESIDADE


Drauzio – Qual é sua impressão sobre as drogas usadas nos tratamentos contra a obesidade? Os médicos, em geral, defendem posições bastante contraditórias a respeito de seu uso.


Bernardo Leo Wajchenberg - A palavra droga define por si só as características dessas substâncias. Penso que usar drogas é uma droga. O bom seria poder evitá-las sempre. Mas qual é a alternativa que posso oferecer a meus pacientes? Experimento as mais variadas mudanças nos regimes alimentares. Nenhum resultado. Introduzo, então, as drogas mais leves, embora não haja estudos comparativos sobre a ação das mais potentes a longo prazo. É verdade que elas têm efeitos colaterais. Os psiquiatras me contam que vêem isso todos os dias. Eu não vejo nunca. Vez ou outra alguém se queixa de palpitação ou de insônia. Nesses casos, prescrevo um tranqüilizante.


O problema é que o uso dessas drogas precisa ser contínuo, o que as faz perder a eficácia, e é preciso mudá-las ou fazer combinações. É uma pena que isso não seja ensinado aos alunos de medicina na faculdade.


Drauzio – O fato é que o tempo de duração desses tratamentos tornou-se uma discussão importante para a ciência.


Bernardo Leo Wajchenberg – O tratamento deve ser mantido no mínimo por cinco anos. Estudos realizados pelo Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos mostraram que, usando a droga por cinco anos, o paciente mantinha a perda de peso. Embora a tendência fosse perder e ganhar um pouco de peso ao longo do tratamento, o balanço era a favor da perda.


Tenho pacientes que estão tomando essas drogas por mais de oito anos e conseguem manter de 10kg a 15kg a menos com melhora significativa de todos os outros fatores de risco. Os residentes que trabalham comigo acham estranho que nunca tenham aprendido isso. Eu acho um absurdo.


Existem drogas modernas como a sibutramina, com menos efeitos colaterais, mas que não resolvem o caso dos grandes obesos. No começo é ótima, mas com o tempo perde o efeito. Existem outras que diminuem a absorção intestinal de gordura. Essas são menos eficientes, quando se suspende a ingestão de gorduras e têm efeitos adversos como a incontinência fecal. Contra as drogas antigas há o tabu de que fazem mal. Eu as uso e recomendo. Não como primeira opção.  A primeira opção é a dieta e a mudança de hábitos. Alguns raros indivíduos conseguem manter o peso depois que emagreceram. O grande gordo não. Toma a droga, emagrece dez quilos, acha horrível a dieta e volta a comer e a engordar. É o chamado efeito sanfona.


PERDA DE PESO NOS DOIS GÊNEROS


Drauzio – Quem engorda mais fácil e quem tem maior dificuldade para perder peso, os homens ou as mulheres?


Bernardo Leo Wajchenberg – Os homens perdem peso com mais dificuldade por causa da vida que levam. As mulheres perdem mais facilmente por interesse pela aparência do próprio corpo. A longo prazo, porém, ambos continuam gordos a não ser nos casos raros em que o individuo adere à medicação. Tenho alguns pacientes nessa situação. Eles me telefonam e dizem que o remédio deixou de funcionar e eu faço outra associação de drogas. Não é a conduta ideal. O ideal é a mudança de comportamento.


A propósito, gostaria de comentar que o governo americano patrocinou um programa chamado Diabetes Prevention Program (DPP), Programa de Prevenção ao Diabetes, que custou 150 milhões de dólares. Eles mostraram que os indivíduos que aderiram à mudança de estilo de vida e aos exercícios perdiam mais peso e reduziam o desencadeamento das complicações do diabetes em seis anos. Fiquei surpreso e fui conversar com quem apresentou esse trabalho num congresso em Glasgow, em 2001. Soube que o grupo de cinco mil pacientes que fazia parte do estudo foi selecionado por anúncio de jornal e cada um recebia uma ajuda de custo para não interromper a experiência. No dia a dia, os resultados não são os mesmos.


Os endocrinologistas não podem desprezar as características de comportamento do obeso. A Behavior Therapy (Terapia Comportamental), teoria desenvolvida por um cientista da Filadélfia, visa exatamente à mudança de comportamento desse paciente.


TERAPIA COMPORTAMENTAL E EMAGRECIMENTO


Drauzio – Em que consiste a terapia comportamental  utilizada nos casos de emagrecimento?


Bernardo Leo Wajchenberg -  Não conheço exatamente o processo, mas sei que o indivíduo conversa com o psicólogo ou com uma pessoa habilitada para o trabalho que faz sugestões para a mudança da dieta, do comportamento alimentar e cobra os resultados. No início, as sessões são semanais. Com o passar do tempo, sessões de reforço são realizadas pelo menos uma vez por mês. Infelizmente, isso consome tempo, custa caro e não é pago pelo governo.


Não tenho informação de nenhum centro no Brasil dedicado a esse tipo de serviço, mas sei de algumas pessoas que se beneficiaram com o tratamento. Em recente congresso, o grupo de Filadélfia da Sociedade Americana de Diabetes apresentou trabalhos com resultados encorajadores. O paciente perde de 7% a 10% do peso corpóreo e mantém esse valor por anos a fio.


Drauzio – Num estudo comparativo entre os diversos tipos de dieta para emagrecer, os institutos nacionais de saúde dos Estados Unidos (NHI) concluíram recentemente que uma pessoa costuma perder com as dietas até 10% de seu peso corpóreo. Quando acompanhadas depois de um ano, 50% delas voltaram ao peso original e cinco anos depois praticamente todas readquiriram os quilos perdidos.


Bernardo Leo Wajchenberg – Qualquer regime pode ter esse resultado. Por isso, a importância da mudança de comportamento. Acompanhei no Hospital Sírio-Libanês um grupo de obesos e as psicólogas me disseram que estavam pensando em introduzir a Teoria Comportamental com reforço contínuo no tratamento da obesidade. Não sei se os planos foram concretizados, mas é fundamental que iniciativas como essa sejam postas em prática.


FALTA DE PREPARO ACADÊMICO


Drauzio – Você acha que nós médicos somos preparados nas faculdades de medicina para lidar com um problema tão sério quanto esse?


Bernardo Leo Wajchenberg – Acho que não. Aliás, de certa forma, os cursos das faculdades são irrelevantes. A formação médica vai se alicerçando depois da formatura com a aquisição de novos conhecimentos que surgem numa velocidade espantosa nos últimos tempos. Por exemplo: há 20 anos o diabetes constituía um ramo pequeno da endocrinologia. Hoje, é maior do que todos os outros assuntos somados. Nos congressos, as sessões sobre diabetes são as que têm maior número de ouvintes médicos. Eu me especializei em diabetes e obesidade, embora trate de outras doenças da mesma área. Todo diabético adulto é obeso até que provem o contrário. Quando não é obeso, é preciso investigar o que possa estar interferindo em seu emagrecimento.


PREVISÕES PARA OS PRÓXIMOS 50 ANOS


Drauzio – Como você acha que o problema da obesidade vai ser r4solvido no futuro?


Bernardo Leo Wajchenberg - Diz um ditado popular que o futuro a Deus pertence. Não posso fazer previsões. Quando vi o primeiro computador em 1964, enorme, achei que não teria muita utilidade. Hoje, ele está aí, em todo o canto, pequeno e popular.


Entretanto, posso imaginar que se as coisas continuarem do mesmo jeito, o número de obesos vai aumentar. Nós, que vivemos no hemisfério sul, podemos ter uma ideia do que pode nos acontecer, se olharmos para o número de casos de obesidade em nossos irmãos do hemisfério norte.


Vejo que a educação na infância é a única forma para tentar resolver o problema. Não se pode induzir a criança a comer batata frita como um prêmio nos finais de semana. Isso não é prêmio, é punição. Batata frita tem alto valor calórico e muita gordura saturada. A educação deve começar em casa. Agora, me pergunto como médico e como pai de família: desde quando temos tempo para almoçar ou jantar com nossos filhos? Refeições em família tornaram-se um evento raro em nossas vidas.  Com isso, não ajudamos a criar hábitos alimentares saudáveis nas crianças, que acabam engordando.


Quero frisar, também, que nos últimos anos me impressionaram os casos de obesidade na infância e na adolescência nos quais o fator desencadeante foi a separação dos pais. Se existe tendência na família, conflitos emocionais desse tipo podem ser a origem do problema.


Drauzio – Você disse que a genética é responsável apenas por pequeno número de casos de obesidade. O que me intriga é ver, muitas vezes, um casal obeso com filhos pequenos também obesos.


Bernardo Leo Wajchenberg – Isso me faz lembrar os quadros do pintor colombiano Botero, em que o pai e a mãe são gordos, o filho é gordo e o gato também é gordo. Trata-se, porém, de uma situação diferente da encontrada naqueles casos raros determinados pela genética, como os de obesidade mórbida em indivíduos com cabelos cor de fogo.


Na verdade, não se pode negar que exista um componente genético familiar que ainda não foi bem definido. Um dos mais famosos cientistas no estudo da obesidade no Canadá, publica todos os anos um relatório dos genes envolvidos nessa doença, mas até agora não foram definidos exatamente quais são eles. Sabe-se que se trata de uma doença em que estão envolvidos múltiplos genes. Somos capazes de entender as doenças monogênicas, isto é, aquelas que estão associadas a um único gene. Para as outras ainda não foi encontrada explicação. É o caso do diabetes e da hipertensão, patologias que estabelecem interações gênicas de altíssima complexidade.


Não acredito que se encontrem soluções para essas doenças num futuro imediato, mas espero que a cura para ela apareça nos próximos 50 anos.


Drauzio – Você espera viver para assistir a essa descoberta?


Bernardo Leo Wajchenberg – Não espero nem quero. Também não cabe a mim decidir isso. Sou apenas um joguete nessa história. No momento, doença poligênica é ainda um brinquedo nas mãos dos pesquisadores. Você encontra em todos os números da revista Diabetes trabalhos sobre genética. Um dia, alguém acaba acertando e descobre a solução para esse enigma.